morangos ricos em ácido málico
Ultima atualização: 1 de outubro de 2020

Como escolhemos

18Produtos analisados

25Horas investidas

22Estudos avaliados

74Comentários coletados

Sabe quando alguém fala dos benefícios de um produto e você pensa: “Isso é bom demais para ser verdade”? Este é um sinal de alerta para propagandas enganosas. No caso do ácido málico, muito se fala sobre as incríveis propriedades deste nutriente. E sim, ele apresenta diversos benefícios à saúde. Mas algumas ainda precisam de comprovação.

Se você chegou a este artigo em busca de informações confiáveis sobre o ácido málico, está no lugar certo. O nutriente oferece muitas propriedades benéficas, mas algumas das “maravilhas” divulgadas não passam especulação. A partir de agora, vamos detalhar, com base científica, as funções e a importância deste composto, para que você faça um uso consciente. Acompanhe!

O mais importante

  • O ácido málico é um composto orgânico necessário para a síntese de energia celular. Ele é abundante em frutas de sabor ácido.
  • Este ácido pode ser usado como esfoliante e para aliviar a sensação de boca seca. Ao contrário do que se divulga nas propagandas, porém, ele não parece ser eficiente na queima de gorduras nem como remédio contra a fibromialgia. Falaremos detalhadamente sobre estas questões logo mais.
  • Se você pretende incluir o ácido málico na sua rotina, o ideal é utilizá-lo em cosméticos ou em produtos de higiene bucal. Antes do uso, é bom estar atento a agentes causadores de alergia ou a presença de ingredientes de origem animal.

Os melhores produtos com ácido málico: nossas recomendações

A saúde dos dentes, cabelos e pele certamente ganha muito com o uso de produtos à base de ácido málico. Mas é importante conhecer o que há no mercado antes de tomar uma decisão pelo cosmético ou suplemento ideal. Por isso, preparamos uma lista com os produtos mais populares da atualidade. Confira:

O melhor suplemento de ácido málico em pó

Nem sempre as frutas ricas em ácido málico estão à disposição. Nestes casos, uma boa opção é substitui-las pelo ácido málico em pó.

O consumo regular ajuda no combate aos radicais livres e ajuda a livrar fígado e rins do acúmulo de toxinas. Com origem 100% vegetal, o produto da Perlas Prill garante mais energia e vitalidade, combatendo os sintomas de fadiga crônica, comum em casos de carência deste composto.

Gel para massagens com Aloe Vera e ácido málico

Este gel para massagens possui alto teor de polissacarídeos e ácido málico. Ele conta ainda com cálcio e vitaminas B, C e E. De rápida absorção e altamente nutritivo, ele pode ser usado em massagens faciais, como pós barba e até mesmo por pessoas com pele oleosa.

No uso corporal, a ação da Aloe Vera promove absorção rápida, levando nutrição para as células intensificando sua ação hidratante, antibacteriana e cicatrizante.

O creme dental com frutos cítricos

Além da refrescância, os frutos cítricos da formulação deste creme dental também trazem ao produto a eficácia do ácido málico na higiene bucal.

Totalmente vegano, ele tem zero flúor, parabenos ou triclosan e é formulado a partir de limão, menta e óleo essencial de melaleuca, eficaz no combate a diversos tipos de fungos e bactérias.

Guia de compras: O que você precisa saber sobre o ácido málico

O ácido málico é um composto presente em abundância em alimentos com sabor azedo, como as maçãs verdes. Ele está envolvido no processo de produção de energia de nossas células. Nesta seção, você vai poder saber mais sobre todos os benefícios e os mitos em torno deste ácido. Acompanhe conosco!

garota comendo frutas

O ácido málico é abundante em frutas como as maçãs verdes e os morangos. (Fonte: Kiselev: 45031110/ 123rf.com)

O que é o ácido málico?

O ácido málico, também chamado de malato, é uma molécula que pode ser encontrada na maioria dos organismos vivos. Nos humanos, ele é necessário para a criação de energia. Além disso, contribui para o bem-estar celular, regulando os níveis de água e eletrólitos (1, 2).

É possível encontrar grandes quantidades deste ácido nas frutas. O próprio nome vem do latim malum, que significa maçã. É nelas que estão presentes as maiores concentrações de malato. Além da maçã verde, outras fontes de ácido málico são uvas, cerejas, amoras e melão.

Alguns vegetais, como o brócolis e a cenoura, também podem ser ricas fontes deste composto, oferecendo grande quantidade do composto ao organismo (3).

O ácido málico está presente, ainda, em bebidas alcoólicas como a sidra, a cerveja e o vinho. Quanto mais adstringente e ácido for o sabor da bebida, maior será a concentração do composto (4).

Para que serve o ácido málico?

Como dissemos há pouco, existem diversos mitos em torno do ácido málico. Mas, como saber o que há de verdade em cada afirmação? Aqui vamos utilizar estudos científicos para falar sobre as crenças e a realidade a respeito das funções e aplicações deste composto.

O ácido málico é possivelmente eficaz como aditivo em alimentos, bebidas e cosméticos. Em cada um destes casos, sua ação pode ser descrita assim:

  • Comidas e bebidas: usado desde o vinho até as gomas de mascar. O ácido málico é freqüentemente usado para dar um sabor “extra” a todos os tipos de produtos alimentícios. O malato confere um sabor “ácido” que realça o aroma frutado dos produtos. É considerado um aditivo seguro, se usado corretamente (5, 6);
  • Protetor bucal: a xerostomia ou “boca seca” é uma condição muito incômoda que pode surgir em decorrência de doenças ou do uso de medicamentos como antidepressivos. O spray de ácido málico demonstrou ser capaz de estimular a secreção de saliva, ajudando a prevenir as consequências da xerostomia, como cárie dentária e mau hálito (7, 8);
  • Esfoliante para a pele: o ácido málico pertence à família dos alfa-hidroxiácidos, um grupo de moléculas conhecidas por sua capacidade de remover células mortas e clarear manchas. Assim, verificou-se que o ácido málico, sozinho ou em combinação com outros ácidos (como o glicólico), pode ser o tratamento ideal contra as manchas de pele (9, 10);
  • Regulador de pH (acidez): a acidez do malato ajuda a equilibrar o pH dos produtos cosméticos de forma não tóxica, se usado nas concentrações certas.

Alguns benefícios atribuídos ao ácido málico estão sob estudos. Desde a eficácia contra a acne até como protetor do coração, estas são algumas das propriedades que seguem sendo pesquisadas:

  • Anti-acne: o poder esfoliante do ácido málico pode ajudar a eliminar as células mortas da pele, reduzindo o acúmulo de substâncias indesejáveis ​​e sebo. Assim, hipoteticamente, seria capaz de reduzir o aparecimento da indesejada acne. Esta hipótese se encontra sob investigação;
  • Hidratante capilar: o ácido málico pode penetrar na fibra capilar e ajudar a hidratar o cabelo de dentro para fora, segundo um estudo. Os séruns e shampoos de ácido málico podem dar mais volume e nutrição aos fios, e até mesmo reparar cabelos secos ou danificados. No entanto, ainda são necessários mais dados antes de confirmar esta propriedade (11);
  • Protetor cardiovascular: em um estudo com animais, o ácido málico e o ácido cítrico demonstraram ter efeito anti-inflamatório e antiplaquetário que podem ajudar a proteger o músculo cardíaco. Esses benefícios poderiam ser obtidos pelo aumento no consumo de frutas frescas ricas em bioflavonoides (compostos antioxidantes) e ácidos naturais (12);
  • Tratamento da nefrolitíase (pedras nos rins): o consumo de sucos ricos em ácido málico ou suplementos de malato está sendo estudado como um possível remédio para a nefrolitíase. Os cientistas contam com a capacidade dessa molécula de equilibrar a acidez corporal para prevenir a formação de cálculos nos rins (13);
  • Produtor de energia: alguns estudos mostraram que, ao administrar sais de ácido málico (malato de potássio) ou malato de creatina a pacientes, houve um aumento nos níveis de energia, levando a um melhor desempenho atlético. No entanto, os resultados desses estudos ainda são contraditórios e precisam ser confirmados por outros experimentos (14, 15).

Não há comprovação de que o ácido málico é eficaz para eliminar toxinas, na perda de peso ou para aliviar os sintomas da fibromialgia. As pesquisas apontam para:

  • Remédio “detox“: foi observado que o ácido málico tem alguma atividade antimicrobiana (16) e que é capaz de se ligar a alguns metais tóxicos e promover sua eliminação em condições de laboratório (17). No entanto, não se sabe se esses efeitos são capazes de beneficiar os humanos. Portanto, usar suplementos de malato como remédios “desintoxicantes” não seria adequado;
  • “Queimadores de gordura”: o papel essencial do malato na produção de energia tem levado algumas pessoas a acreditar que este composto pode ajudar a “queimar” gordura ou perder peso. No entanto, os experimentos mais recentes, feitos em animais, mostram o oposto. O aumento do consumo de malato parece ser acompanhado por ganho de peso ;
  • Remédio para fibromialgia: esta doença dolorosa é um desafio para a medicina. Embora um estudo antigo (19) aponte o ácido málico como um possível alívio para os sintomas da fibromialgia, experimentos mais atuais descartaram a utilidade deste ácido no tratamento da dor e fadiga decorrentes desta condição (20).
o vinho é rico em ácido málico

O ácido málico dá um sabor característico à sidra e ao vinho. (Fonte: Sobko: 37590329/ 123rf.com)

Efetividade: o que a ciência diz sobre o ácido málico?

Como você acaba de ver, a eficácia do ácido málico continua a ser debatida no meio científico. Na tabela a seguir procuramos resumir brevemente as conclusões dos estudos que mencionamos anteriormente.

Possivelmente eficaz Necessita comprovação Possivelmente não eficaz
Regulador da acidez de alimentos e bebidas Aumento do rendimento esportivo “Detox” de fígado e rins
Remédio para a boca seca (xerostomia) Anti acne Alívio dos sintomas da fibromialgia
Esfoliante cutâneo Prevenção de pedras nos rins “Queima-gorduras”
Regulador do pH em cosméticos Protetor cardiovascular
Hidratante capilar

O ácido málico é seguro?

Usado na forma tópica, como enxaguantes bucais e cosméticos, o ácido málico é considerado seguro. Para tanto, deve ser  usado em pequenas quantidades, de acordo com as instruções do produto. Ao contrário, pode irritar a pele e os olhos

Os cosméticos à base de malato podem sensibilizar a pele à radiação solar durante o período de tratamento. Por esta razão, é essencial utilizar um bom protetor solar depois de aplicar o cosmético (9, 21).

O ácido málico presente nos alimentos de forma natural pode ser consumido com segurança.

No caso dos suplementos de malato (em cápsulas ou em pó), ainda não existe informações suficientes que definem a dosagem segura para o consumo humano (18). Por isso, é crucial consultar seu médico antes de usar o produto.

De acordo com estudos, os suplementos de ácido málico não parecem provocar toxicidade de forma imediata. No entanto, as implicações do uso a longo prazo ainda são desconhecidas. Alguns especialistas acreditam que ele possa desencadear algumas dessas reações adversas (22):

  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Dor de cabeça;
  • Queda da pressão arterial (com enjoo e perda do equilíbrio);
  • Interações medicamentosas com anti hipertensivos.

Por conta da pouca informação disponível, também não é possível descrever as contraindicações da suplementação. A recomendação para grupos específicos — como gestantes, idosos e pessoas em tratamento de doenças crônicas — é buscar orientação médica antes de iniciar o uso de qualquer suplemento.

crianças comendo morangos

Ainda não se sabe a dose recomendada de ácido málico que seja segura para o uso na forma de suplementos. (Fonte: Atamanenko: 80405211/ 123rf.com)

Como incorporar o ácido málico à rotina?

Agora você já sabe toda a verdade, cientificamente comprovada, sobre o ácido málico! Este composto é capaz de melhorar a textura da pele e até a respiração se for usado com cuidado. Abusar desse ácido pode trazer consequências como problemas no estômago. Então, como é possível tirar o máximo proveito desse nutriente?

Alimente-se bem: para ter certeza de que seu corpo tem todo o ácido málico de que precisa, basta ingerir alimentos ricos em malato. Procure consumir maçãs verdes e outras frutas para dar um carga “extra” de ácido málico ao organismo.

Para aproveitar os benefícios à pele e aos dentes, crie um plano de higiene e beleza. Se você sofre com a sensação de boca seca, por exemplo, escolha um spray ou creme dental que contenha malato.

Para melhorar o aspecto da pele “opaca” ou quando o cabelo estiver mais seco do que o normal, vale a pena usar um sérum, creme ou gel com ácido málico. Você vai notar a diferença!

Critérios de compra

E agora chegou o momento de escolher o produto com ácido málico que melhor atenda suas expectativas. Para que sua decisão seja ainda mais consciente, destacamos alguns critérios que merecem atenção na hora da compra. Veja quais são:

Tipo de produto

Como ainda não é possível definir uma dose diária adequada e uma quantidade máxima para os suplementos de ácido málico, recomendamos que você evite os produtos de uso oral (cápsulas, comprimidos ou pó), a menos que tenha a prescrição do seu médico.

A boa notícia é que o mercado tem muitas opções em sprays, cremes dentais, enxaguantes bucais e cosméticos. Estas serão alternativas seguras e eficazes. Assim, você pode usufruir dos benefícios do produto sem colocar em risco o seu bem-estar.

menino com cabelo saudável

O ácido málico pode ser usado como esfoliante, para eliminar as células mortas da pele. (Fonte: Marctran: 125687880/ 123rf.com)

Concentração de ácido málico

Muitas pessoas utilizam o ácido málico puro para criar as próprias misturas cosméticas. Alertamos que esta não é uma boa ideia! A alta concentração deste ácido pode causar graves irritações e inflamações na pele.

Nos dentes, o excesso de ácido málico pode desgastar o esmalte dental e causar sensibilidade.

Por este motivo, use apenas cosméticos criados por laboratórios profissionais, que utilizem o malato com prudência em relação à quantidade e aplicações seguras. Os produtos de uso oral, por exemplo, não podem ter mais do que 1% desta molécula na composição.

Alergias e intolerâncias

Apesar de raros, podem ocorrer episódios de alergia ao ácido málico. Alguns alimentos que o contenham como aditivo ou cosméticos que tenham o malto em sua formulação podem, eventualmente, desencadear reações indesejadas.

Antes de comprar um produto a base de ácido málico, verifique a composição e a concentração da fórmula. Se perceber algum  desconforto, falta de ar ou lesões na pele, procure ajuda médica urgente.

garota comendo morangos

O ácido málico pode aliviar a sensação de boca seca. (Fonte: Puhhha: 97762964/ 123rf.com)

Dietas veganas e vegetarianas

O ácido málico é um composto de origem vegetal e, portanto, vegano. No entanto, os produtos que contêm este ácido podem ter outros ingredientes em sua formulação que não necessariamente sejam da mesma origem.

Para ter certeza de estar consumindo um produto vegano, verifique, nos cremes, séruns e produtos de higiene oral, a presença de informações sobre sua origem ou um “selo de qualidade vegana”. Isso garante que você está comprando um cosmético cruelty free.

Relação custo benefício

Como o ácido málico começa a ser cada vez mais conhecido e utilizado no segmento dos cosméticos, os produtos começaram a se popularizar. Por isso, é bom estar atento! Aqueles que têm a melhor qualidade, com materiais de procedência segura, costumam ter um valor mais alto.

Na hora de escolher, avalie com cuidado este critério. Calcule o custo em relação ao benefício e a segurança que cada produto pode oferecer. Apesar se ser um investimento considerável, vale contar com produtos que não tragam prejuízos à sua saúde!

Resumo

Ser capaz de diferenciar mito e realidade no mundo dos suplementos é fundamental para cuidar da saúde com eficiência e segurança. Neste mercado, é comum que alguns fabricantes utilizem a falta de conhecimento para tirar vantagens dos compradores.

É justamente para combater este tipo de comércio que trouxemos informações verídicas sobre os benefícios do ácido málico, seguidas por dados comprovados para que você possa usá-lo com tranquilidade. Selecionamos alguns produtos que se enquadram nos estudos apresentados. Assim, é possível realizar a compra e o uso consciente do malato, sem qualquer risco à sua integridade física.

Se graças a este artigo você descobriu mais sobre o ácido málico, por favor, compartilhe com seus amigos. Aproveite para nos deixar um comentário, falando sobre sua experiência com estes produtos. É sempre bom saber sua opinião! Um grande abraço!

(Fonte da imagem destacada: Kulinica: 128677006/ 123rf.com)

Referências (22)

1. Malic acid | chemical compound | Britannica.
Fonte

2. Goldberg I, Rokem JS. Organic and Fatty Acid Production, Microbial. In: Reference Module in Life Sciences . Elsevier; 2017. p. 358–82.
Fonte

3. Ma B, Yuan Y, Gao M, Li C, Ogutu C, Li M, et al. Determination of predominant organic acid components in malus species: Correlation with apple domestication. Metabolites . 2018 Dec 1 ;8(4).
Fonte

4. Redzepovic S, Orlic S, Majdak A, Kozina B, Volschenk H, Viljoen-Bloom M. Differential malic acid degradation by selected strains of Saccharomyces during alcoholic fermentation. Int J Food Microbiol . 2003 May 25 ;83(1):49–61.
Fonte

5. Teyssen S, González-Calero G, Schimiczek M, Singer M V. Maleic acid and succinic acid in fermented alcoholic beverages are the stimulants of gastric acid secretion. J Clin Invest . 1999 ;103(5):707–13.
Fonte

6. BOE-A-2002-3366. Real Decreto 142/2002, de 1 de febrero, por el que se aprueba la lista positiva de aditivos distintos de colorantes y edulcorantes para su uso en la elaboración de productos alimenticios, así como sus condiciones de utilización. Boletín del Estado . 2002;44:6756–99.
Fonte

7. Bhayani MK, Lai SY. Xerostomia. In: Gland-Preserving Salivary Surgery: A Problem-Based Approach . Springer International Publishing; 2018 . p. 175–83.
Fonte

8. Gómez-Moreno G, Guardia J, Aguilar-Salvatierra A, Cabrera-Ayala M, De-Val JEMS, Calvo-Guirado JL. Effectiveness of malic acid 1% in patients with xerostomia induced by antihypertensive drugs. Med Oral Patol Oral Cir Bucal . 2013 Jan ;18(1):e49.
Fonte

9. Tang SC, Yang JH. Dual effects of alpha-hydroxy acids on the skin . Vol. 23, Molecules. MDPI AG; 2018 .
Fonte

10. Kornhauser A. Applications of hydroxy acids: classification, mechanisms, and photoactivity. Clin Cosmet Investig Dermatol .
Fonte

11. Ezure M, Tanji N, Nishita Y, Mizooku T, Nagase S, Osumi T. The Secrets of Beautiful Hair: Why is it Flexible and Elastic? Cosmetics . 2019 Jul 6;6(3):40.
Fonte

12. Tang X, Liu J, Dong W, Li P, Li L, Lin C, et al. The Cardioprotective Effects of Citric Acid and L-Malic Acid on Myocardial Ischemia/Reperfusion Injury. Evidence-Based Complement Altern Med . 2013 ;2013:1–11.
Fonte

13. Rodgers AL, Webber D, De Charmoy R, Jackson GE, Ravenscroft N. Malic acid supplementation increases urinary citrate excretion and urinary ph: Implications for the potential treatment of calcium oxalate stone disease. J Endourol . 2014 Feb 1 ;28(2):229–36.
Fonte

14. Jäger R, Purpura M, Shao A, Inoue T, Kreider RB. Analysis of the efficacy, safety, and regulatory status of novel forms of creatine. . Vol. 40, Amino acids. Springer; 2011 . p. 1369–83.
Fonte

15. Sterkowicz S, Tyka AK, Chwastowski M, Sterkowicz-Przybycień K, Tyka A, Klys A. The effects of training and creatine malate supplementation during preparation period on physical capacity and special fitness in judo contestants. J Int Soc Sports Nutr . 2012 Sep 3 ;9:41.
Fonte

16. Raybaudi-Massilia RM, Mosqueda-Melgar J, Martín-Belloso O. Antimicrobial activity of malic acid against Listeria monocytogenes, Salmonella Enteritidis and Escherichia coli O157:H7 in apple, pear and melon juices. Food Control . 2009 Feb 1 ;20(2):105–12.
Fonte

17. Domingo JL, Gómez M, Llobet JM, Corbella J. Comparative Effects of Several Chelating Agents on the Toxicity, Distribution and Excretion of Aluminium. Hum Exp Toxicol . 1988 ;7(3):259–62.
Fonte

18. Fiume MZ. Final report on the safety assessment of Malic Acid and sodium malate. Int J Toxicol . 2001 ;20(SUPPL. 1):47–55.
Fonte

19. Russell IJ, Michalek JE, Flechas JD, Abraham GE. Treatment of fibromyalgia syndrome with Super Malic®: A randomized, double blind, placebo controlled, crossover pilot study. J Rheumatol . 1995 ;22(5):953–8.
Fonte

20. Ferreira I, Ortigoza Á, Moore P. Suplemento de magnesio y ácido málico para fibromialgia. Medwave . 2019 May 28;19(4):e7633.
Fonte

21. Okuda M, Donahue DA, Kaufman LE, Avalos J, Simion FA, Story DC, et al. Negligible penetration of incidental amounts of alpha-hydroxy acid from rinse-off personal care products in human skin using an in vitro static diffusion cell model. Toxicol Vitr . 2011 Dec ;25(8):2041–7.
Fonte

22. Malic Acid: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning.
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Anabel Rodríguez Formada em Medicina
Formada em Medicina, tem como missão utilizar o método científico para encontrar novas formas de potencializar o rendimento esportivo e intelectual das pessoas. Quer conversar com as pessoas que desejam se informar sobre suplementação com base em evidências. Seus suplementos favoritos são a L-teanina e as vitaminas do grupo B.
Redatora do Saudável&Forte, Vera pesquisa com muito cuidado e auxiliar na redação e edição de artigos relevantes que envolvem um dos temas que mais lhe interessam: o universo da suplementação.
Enciclopédia Britânica
Malic acid | chemical compound | Britannica.
Ir para a fonte
Artigo científico
Goldberg I, Rokem JS. Organic and Fatty Acid Production, Microbial. In: Reference Module in Life Sciences . Elsevier; 2017. p. 358–82.
Ir para a fonte
Artigo científico
Ma B, Yuan Y, Gao M, Li C, Ogutu C, Li M, et al. Determination of predominant organic acid components in malus species: Correlation with apple domestication. Metabolites . 2018 Dec 1 ;8(4).
Ir para a fonte
Artigo científico
Redzepovic S, Orlic S, Majdak A, Kozina B, Volschenk H, Viljoen-Bloom M. Differential malic acid degradation by selected strains of Saccharomyces during alcoholic fermentation. Int J Food Microbiol . 2003 May 25 ;83(1):49–61.
Ir para a fonte
Artigo científico
Teyssen S, González-Calero G, Schimiczek M, Singer M V. Maleic acid and succinic acid in fermented alcoholic beverages are the stimulants of gastric acid secretion. J Clin Invest . 1999 ;103(5):707–13.
Ir para a fonte
Decreto Real
BOE-A-2002-3366. Real Decreto 142/2002, de 1 de febrero, por el que se aprueba la lista positiva de aditivos distintos de colorantes y edulcorantes para su uso en la elaboración de productos alimenticios, así como sus condiciones de utilización. Boletín del Estado . 2002;44:6756–99.
Ir para a fonte
Artigo científico
Bhayani MK, Lai SY. Xerostomia. In: Gland-Preserving Salivary Surgery: A Problem-Based Approach . Springer International Publishing; 2018 . p. 175–83.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Gómez-Moreno G, Guardia J, Aguilar-Salvatierra A, Cabrera-Ayala M, De-Val JEMS, Calvo-Guirado JL. Effectiveness of malic acid 1% in patients with xerostomia induced by antihypertensive drugs. Med Oral Patol Oral Cir Bucal . 2013 Jan ;18(1):e49.
Ir para a fonte
Artigo científico
Tang SC, Yang JH. Dual effects of alpha-hydroxy acids on the skin . Vol. 23, Molecules. MDPI AG; 2018 .
Ir para a fonte
Artigo científico
Kornhauser A. Applications of hydroxy acids: classification, mechanisms, and photoactivity. Clin Cosmet Investig Dermatol .
Ir para a fonte
Artigo científico
Ezure M, Tanji N, Nishita Y, Mizooku T, Nagase S, Osumi T. The Secrets of Beautiful Hair: Why is it Flexible and Elastic? Cosmetics . 2019 Jul 6;6(3):40.
Ir para a fonte
Estudo em animais
Tang X, Liu J, Dong W, Li P, Li L, Lin C, et al. The Cardioprotective Effects of Citric Acid and L-Malic Acid on Myocardial Ischemia/Reperfusion Injury. Evidence-Based Complement Altern Med . 2013 ;2013:1–11.
Ir para a fonte
Artigo científico
Rodgers AL, Webber D, De Charmoy R, Jackson GE, Ravenscroft N. Malic acid supplementation increases urinary citrate excretion and urinary ph: Implications for the potential treatment of calcium oxalate stone disease. J Endourol . 2014 Feb 1 ;28(2):229–36.
Ir para a fonte
Artigo científico
Jäger R, Purpura M, Shao A, Inoue T, Kreider RB. Analysis of the efficacy, safety, and regulatory status of novel forms of creatine. . Vol. 40, Amino acids. Springer; 2011 . p. 1369–83.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Sterkowicz S, Tyka AK, Chwastowski M, Sterkowicz-Przybycień K, Tyka A, Klys A. The effects of training and creatine malate supplementation during preparation period on physical capacity and special fitness in judo contestants. J Int Soc Sports Nutr . 2012 Sep 3 ;9:41.
Ir para a fonte
Estudo in vitro
Raybaudi-Massilia RM, Mosqueda-Melgar J, Martín-Belloso O. Antimicrobial activity of malic acid against Listeria monocytogenes, Salmonella Enteritidis and Escherichia coli O157:H7 in apple, pear and melon juices. Food Control . 2009 Feb 1 ;20(2):105–12.
Ir para a fonte
Estudo em animais
Domingo JL, Gómez M, Llobet JM, Corbella J. Comparative Effects of Several Chelating Agents on the Toxicity, Distribution and Excretion of Aluminium. Hum Exp Toxicol . 1988 ;7(3):259–62.
Ir para a fonte
Artigo científico
Fiume MZ. Final report on the safety assessment of Malic Acid and sodium malate. Int J Toxicol . 2001 ;20(SUPPL. 1):47–55.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Russell IJ, Michalek JE, Flechas JD, Abraham GE. Treatment of fibromyalgia syndrome with Super Malic®: A randomized, double blind, placebo controlled, crossover pilot study. J Rheumatol . 1995 ;22(5):953–8.
Ir para a fonte
Meta-análise
Ferreira I, Ortigoza Á, Moore P. Suplemento de magnesio y ácido málico para fibromialgia. Medwave . 2019 May 28;19(4):e7633.
Ir para a fonte
Artigo científico
Okuda M, Donahue DA, Kaufman LE, Avalos J, Simion FA, Story DC, et al. Negligible penetration of incidental amounts of alpha-hydroxy acid from rinse-off personal care products in human skin using an in vitro static diffusion cell model. Toxicol Vitr . 2011 Dec ;25(8):2041–7.
Ir para a fonte
Site oficial
Malic Acid: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning.
Ir para a fonte