clorato de magnésio
Ultima atualização: 11 de outubro de 2020

Como escolhemos

18Produtos analisados

32Horas investidas

35Estudos avaliados

96Comentários coletados

O corpo humano é um reservatório de milhares de substâncias que auxiliam o seu funcionamento e sobrevivência. A deficiência de qualquer um destes elementos pode causar desde sintomas leves como fraqueza e dores de cabeça, até sintomas mais graves, como insuficiência cardíaca ou cerebral.

Por sua vez, o magnésio é um elemento indispensável para que o cérebro, músculos, ossos e coração funcionem apropriadamente. Ao combiná-lo com o cloro em suplementos, sua absorção aumenta, assim como seus possíveis efeitos benéficos. Quer saber mais? Não deixe de ler este artigo!

O mais importante

  • O cloreto de magnésio é composto pela combinação de cloro e magnésio. Esta mistura tem diversos usos, desde a indústria culinária até suplementos para a saúde.
  • O cloreto de magnésio pode trazer benefícios para o sistema musculoesquelético, o coração, o cérebro e também pode ter um papel importante na perda de peso.
  • Os suplementos de cloreto de magnésio são encontrados principalmente em cápsulas e em forma cristalizada. Devem ser evitados por pessoas com problemas nos rins.

Os melhores suplementos de cloreto de magnésio: Nossas recomendações

O cloreto de magnésio é um produto relativamente novo no mercado virtual, mas isso não significa que você não poderá encontrar os melhores suplementos para a sua saúde. Dê uma olhada na lista que montamos:

O suplemento de cloreto de magnésio favorito dos usuários

Este suplemento em cápsulas vegetais da Meissen auxilia no funcionamento muscular e neuromuscular, além de contribuir para a formação de ossos e dentes. Em uma embalagem com 120 cápsulas de 500 mg cada, a dose recomendada é de 2 cápsulas por dia. Tem um duração, então, de 60 dias, um ótimo custo benefício.

O melhor suplemento em pó

Este suplemento de cloreto de magnésio em pó é a opção ideal para quem quer facilidade no dia a dia. É essencial para uma rotina saudável, contribuindo para a saúde cardiovascular, prevenção de artrite e osteoporose e evita que o ácido úrico acumule nas articulações. Para consumir, basta dissolver 3 colheres de sopa em 1 litro de água filtrada, misturar bem e deixar na geladeira. Tomar 15 ml da solução até 3 vezes no dia. Se preferir, consuma com algum outro suco ou vitamina da sua preferência.

O melhor cloreto de magnésio em cápsulas

O suplemento da ApisNutri contém 150 mg de cloreto de magnésio por cápsula. Ele melhora o funcionamento do organismo em geral, melhora a digestão e a absorção de outros nutrientes. Auxilia na regulação de hormônios, na função renal e hepática. Disponível nas versões com 60 ou 120 cápsulas, a dose recomendada é de 4 cápsulas ao dia.

Guia de compras: Tudo que você precisa saber sobre o cloreto de magnésio

O cloreto de magnésio tem despertado o interesse de muitas pessoas, especialmente no mundo esportivo, por sua capacidade de proporcionar benefícios aos músculos, ossos, articulações, sistema imunológico, digestivo e cardiovascular. Nesta seção vamos falar sobre todas as suas propriedades, confira!

garota comendo sementes

As oleaginosas podem proporcionar uma quantidade significativa de magnésio para a dieta. (Fonte: Kachmar: 76175309 / 123rf.com)

O que é o cloreto de magnésio?

Este composto é a combinação do magnésio elementar com o cloro. Sua fórmula química é MgCl2 e é altamente solúvel em água (1).

Pode ser extraído da salmoura ou água do mar e é obtido pela desidratação ao sol nas águas que o contém. Além disso, pode ser extraído de fundos marinhos antigos, como a mina Zechstein no norte da Europa (2).

Para que o cloreto de magnésio é utilizado?

O cloreto de magnésio tem diversos usos comerciais, estes são os mais importantes:

  • Como catalisador: um catalisador é uma substância que acelera ou atrasa uma reação química sem participar diretamente dela. Neste caso, o cloreto de magnésio atua como catalisador na produção de polipropileno, um polímero termoplástico que é utilizado em embalagens de alimentos, equipamentos de laboratórios e na indústria automotiva (3, 4).
  • Como ingrediente: o cloreto de magnésio é utilizado como coagulante na preparação do tofu a partir do leite de soja (5). Os coagulantes transformam as proteínas para proporcionar firmeza ao produto final. Também é utilizado como ingrediente em algumas fórmulas de leite para bebês.
  • Controle de gelo: no inverno, o cloreto de magnésio é utilizado para evitar a formação de gelo nos nos estacionamentos, rodovias e calçadas (6).
  • Na jardinagem e horticultura: pode ser utilizado para nutrir plantas deficientes em magnésio como substituto do sulfato de magnésio (sais de Epsom) (7). Deve ser utilizado em doses menores que os sais de Epsom, já que o cloreto pode ser tóxico para as plantas (8).
  • Usos medicinais: tem sido utilizado em suplementos e preparações farmacêuticas, já que é melhor absorvido do que o cloro.
Dr. Carlos JaramilloEspecialista em nutrição e medicina funcional

“O álcool, o café, o excesso de açúcar e os diuréticos aceleram a perda de magnésio pela urina.”

Quais são as propriedades medicinais do cloreto de magnésio?

Uma das aplicações mais interessantes do cloreto de magnésio é no mundo dos medicamentos e suplementos, já que possui uma absorção melhorada comparados com outras fórmulas, como o óxido de magnésio (9).

Muitas pesquisas científicas investigaram os possíveis efeitos benéficos que vamos mostrar abaixo:

  • Fortalecimento dos ossos: alguns estudos descobriram que o cloreto de magnésio é capaz de beneficiar a regeneração dos ossos, tendo um efeito positivo sobre os osteoblastos (células capazes de produzir tecido ósseo) (10). Além disso, o magnésio regula o transporte de cálcio, o que pode aumentar a densidade óssea em pessoas que sofrem de osteoporose (11), com a consequente prevenção de fraturas no futuro (12).
  • Saúde cardiovascular: o magnésio é essencial para a manutenção do ritmo cardíaco normal e regular (13). Também foi encontrada uma importante relação entre a deficiência de magnésio e as doenças cardiovasculares (14), como a isquemia miocárdia e hipertensão (15).
  • Regulação do sistema digestivo: alguns estudos encontraram uma relação entre o consumo de suplementos de magnésio e o esvaziamento gastrointestinal (16). Isso significa que pode ter efeitos laxantes, o que pode ser benéfico para alguns casos de constipação.
  • Fortalecimento da pele: os sais de magnésio (aplicados externamente) foram utilizados para o fortalecimento da barreira da pele, com resultados positivos em animais (17). Além disso, foi descoberto que os banhos com sais de magnésio podem aumentar a retenção de moléculas de água na pele humana atópica (18).
  • Melhora do sistema imunológico: diversos estudos encontraram uma relação entre a falta de magnésio e as infecções virais e bacterianas. Também foi observado que o magnésio pode ser um fator protetor diante de reações imunológicas, como as alergias (19, 20, 21).
  • Prevenção da fadiga crônica: a síndrome da fadiga crônica é uma doença que dificulta o desempenho das atividades cotidianas (22). A causa deste problema não é conhecida, mas em muitos casos foi observada uma deficiência de magnésio associada à ela, mas não se sabe se é a origem desta doença ou apenas um sintoma. Um pequeno estudo com 32 voluntários observou uma certa melhora dos sintomas desta doença ao aumentar o consumo de magnésio (23).

O cloreto de magnésio pode me ajudar a perder peso?

O magnésio é um mineral importante na produção de energia e como mediador em muitas funções do organismo. Alguns estudos encontraram uma relação entre o consumo de magnésio com a diminuição dos níveis de glicose e insulina no sangue (24).

Outros encontraram uma melhora no metabolismo de pessoas obesas ao usar este suplemento (25). Este efeito pode beneficias as pessoas que querem melhorar seu perfil metabólico, mas não é a “cura” para a obesidade ou um “queimador de gordura“.

Você pode combinar uma alimentação saudável e uma rotina de exercícios adaptados às suas capacidades com o consumo de magnésio. Não esqueça de verificar primeiro com o seu médico ou nutricionista.

tofu na tigela

A preparação do tofu exige a utilização do cloreto de magnésio. (Fonte: Nutria3000: 128306407 / 123rf.com)

O cloreto de magnésio pode melhorar o meu rendimento físico?

As pessoas que praticam esportes com alto gasto físico precisam aumentar o consumo de diversos nutrientes, já que eles são metabolizados com maior velocidade (26). Este pode ser o caso do magnésio, já que este mineral faz parte de até 300 funções no organismo.

Em um estudo realizado em 2013 foi observado que jogadores de vôlei melhoraram seu rendimento físico depois de utilizar suplementos com magnésio (27), o que pode ser um reflexo do papel importante que o magnésio tem na produção de energia (28).

Quem deve usar suplementos de cloreto de magnésio?

Uma dieta equilibrada é capaz de fornecer a dose adequada de magnésio. No entanto, em algumas situações como a desnutrição, uso de diuréticos, o alcoolismo e transtornos gastrointestinais podem baixar os níveis de magnésio no sangue (29).

Nestes casos, pode ser necessário suplementar o magnésio, mas com a supervisão de um especialista.

O magnésio também pode ser utilizado no tratamento de algumas condições, como a síndrome da fadiga crônica, diabetes tipo 2 e alguns problemas cardíacos, sempre com a indicação médica.

Margarita ChávezNutricionista

“O magnésio tem um papel fundamental na regulação de insulina no sangue, o que pode trazer grandes benefícios para pessoas com diabetes.”

Posso obter o cloreto de magnésio a partir dos alimentos?

Claro que sim! Apesar de que a maioria dos alimentos possui magnésio (frutas, cereais integrais, milho, sementes, quinoa e chocolate amargo), você pode encontrar o cloreto de magnésio no tofu.

O cloreto de magnésio pode ser encontrado em frutas, cereais integrais, milho, sementes, quinoa e chocolate amargo.

Como já explicamos, o cloreto de magnésio é um ingrediente importante no preparo do tofu, já que estimula o processo de coagulação, que tem como finalidade transformar as proteínas do leite de soja.

O processo de coagulação gerado pelo cloreto de magnésio tem como resultado um tofu firme, diferente das receitas que utilizam o sulfato de cálcio como coagulante, que produz um tofu mais macio.

Como consumir o cloreto de magnésio?

Se você quer aproveitar seu suplemento ao máximo, considere as seguintes recomendações:

  1. O cloreto de magnésio pode ser encontrado em diferentes formatos de apresentação. A mais comum é sua forma cristalizada, que deve ser dissolvida em muita água e misturada apropriadamente até que fique bem integrado.
  2. O cloreto de magnésio pode aumentar o trânsito gastrointestinal, o que pode também aumentar a perda de água. Por isso, é importante consumir bastante líquido ao longo do dia se você utilizar algum suplemento com magnésio ou cloreto de magnésio.
  3. Os suplementos de cloreto de magnésio podem gerar desconforto gastrointestinal se você tomar com o estômago vazio. É recomendado consumir estes produtos com as principais refeições (29).

ossos fortes

O magnésio pode melhorar o rendimento físico. (Fonte: Wavebreak Media Ltd: 38312932 / 123rf.com)

Qual é a dose recomendada de cloreto de magnésio?

Não foi estabelecida uma dose diária de cloreto de magnésio, mas sim de magnésio elementar (Mg “sozinho”, sem contar outros aditivos como o cloreto, o citrato ou treonato).

É recomendado consumir de 400 a 420 miligramas de magnésio de fontes alimentares em homens e de 310 a 320 miligramas em mulheres não grávidas (30).

Porém, não é recomendado ultrapassar a dose de 350 miligramas de magnésio elementar se for consumido na forma de suplementos (30).

Quem não pode consumir cloreto de magnésio?

Apesar de que o cloreto de magnésio tenha poucos efeitos colaterais conhecidos, deve ser evitado sem a indicação médica por pessoas nas seguintes condições (31):

  • Pessoas com problemas nos rins e fígado;
  • Pessoas em tratamento crônico (diabetes ou hipertensão);
  • Mulheres grávidas ou amamentando;
  • Pessoas que utilizam medicamentos com anticoagulantes;
  • Crianças e adolescentes;
  • Pessoas com problemas no coração (bloqueios cardíacos);
  • Pessoas com doenças crônicas graves, debilitadas ou incapacitadas.

Efeitos colaterais do cloreto de magnésio

Estes suplementos geralmente não causam efeitos colaterais se forem consumidos em doses apropriadas, mas algumas pessoas podem apresentar desconforto gastrointestinal (náusea, vômito e diarreia).

Se você tomar estes suplementos em doses superiores à 350 miligramas ao dia, podem causar os seguintes efeitos colaterais (31):

  • Alterações nos batimentos cardíacos;
  • Baixa pressão sanguínea;
  • Confusão;
  • Diminuição da respiração;
  • Coma.
holograma

O cloreto de magnésio pode trazer benefícios ao sistema musculoesquelético, o coração, o cérebro e também pode ter um papel importante na perda de peso. (Fonte: Natalimis: 124389556 / 123rf.com)

Critérios de compra

Para escolher o melhor suplemento de cloreto de magnésio no mercado, você pode consultar este guia que vamos mostrar abaixo:

Formas de apresentação

O cloreto de magnésio pode ser encontrado em forma de cristais, pó ou comprimido. Abaixo vamos explicar um pouco melhor:

Forma de apresentação Vantagens Desvantagens
Cristalizado ou em pó Pode ser combinado com sucos
Seu uso externo pode proporcionar benefícios para a pele
Mais econômico
Geralmente é o ingrediente puro
Pode ter um sabor picante, amargo e ácido
Não é recomendado para pessoas com hérnias de hiato (que podem manifestar refluxo ácido grave)
Menor regulação da dose 
Comprimidos ou cápsulas Mais fácil de tomar e transportar
Dose melhor regulada
Pode ser combinado com outros ingredientes ou excipientes
O consumo de cápsulas ou comprimidos não é agradável para todo mundo
Formato mais caro

Outras apresentações que o magnésio pode ser encontrado

O cloreto de magnésio não é a única forma em que se pode conseguir este mineral. Vamos mostrar na tabela abaixo as formas mais comuns de cloreto de magnésio e os seus benefícios (32):

Tipo de magnésio Efeitos
Gluconato de magnésio (33) Forma de magnésio com grande biodisponibilidade
Menor efeito laxante que outros tipos de magnésio
Pode ter um efeito relaxante
Citrato de magnésio (34) É utilizado para tratar constipação a curto prazo
É considerado um “laxante salino”
Taurato de magnésio Boa absorção e poucos efeitos gastrointestinais
Malato de Magnésio Associado ao ácido málico
Alta capacidade de absorção
Pode reduzir dores articulares e musculares e melhor os sintomas da fadiga

Cloreto de magnésio para uso externo

O cloreto de magnésio pode ser utilizado como parte da sua rotina de banho e alguns estudos sugerem que utilizá-lo desta forma pode trazer benefícios para a saúde.

Ao usar o cloreto de magnésio em banhos com água morna você poderá encontrar benefícios para a pele e os músculos. Alguns estudos também falar que, ao não ser consumido, pode diminuir os efeitos gastrointestinais deste suplemento por via oral (náusea, diarreia ou vômito) (35).

Ainda existe muita coisa para conhecer sobre a aplicação do magnésio, mas o que sabemos até agora é muito promissor!

Cloreto de magnésio para dietas veganas

O cloreto de magnésio por si só é completamente vegano. Porém, alguns ingredientes e excipientes dos suplementos (especialmente os encapsulados) podem ser de origem animal.

Para garantir que o suplemento que você vai consumir se adapta perfeitamente ao seu estilo de vida, procure produtos com certificações veganas.

Resumo

O magnésio é importante para o desempenho de mais de 300 funções em todo o organismo. Além de proporcionar energia, participa também na saúde do aparelho locomotor e cardiovascular.

O cloreto de magnésio é uma das formas deste mineral com maior assimilação pelo organismo, o qual pode proporcionar benefícios para a saúde e rotina diária. No entanto, estes suplementos devem ser apropriadamente recomendados por profissionais da saúde.

Você aprendeu algo novo sobre o cloreto de magnésio? Deixe um comentário com a sua opinião e não esqueça de compartilhar este artigo.

(Fonte da imagem destacada: Siamphotos: 103700458 / 123rf.com)

Referências (35)

1. Holleman AF, Wiberg N, Wiberg E. Inorganic chemistry. San Diego: Academic Press; 2001.
Fonte

2. Hill JW, Petrucci RH. General chemistry. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall; 2005.
Fonte

3. Malpass DB. Commercially Available Metal Alkyls and Their Use in Polyolefin Catalysts. Handbook of Transition Metal Polymerization Catalysts. 2010;:1–28.
Fonte

4. Kashiwa N. The discovery and progress of MgCl2-supported TiCl4 catalysts. Journal of Polymer Science Part A: Polymer Chemistry. 2003;42(1):1–8.
Fonte

5. Approved additives and E numbers [Internet]. Food Standards Agency. 2020
Fonte

6. Jain J, Olek J, Janusz A, Jozwiak-Niedzwiedzka D. Effects of Deicing Salt Solutions on Physical Properties of Pavement Concretes. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board. 2012;2290(1):69–75.
Fonte

7. Webster DH. COMPARISON OF MAGNESIUM SULFATE AND THIS Mg CHELATE FOLIAR SPRAYS; RESPOSE OF Mg-DEFICIENT BEAUTIFUL ARCADE APPLE SEEDLINGS. Canadian Journal of Plant Science. 1985;65(1):131–6.
Fonte

8. Magnesium Chloride Toxicity in Trees [Internet]. Colorado State University. 2008.
Fonte

9. Firoz M, Graber M. Bioavailability of US commercial magnesium preparations. Magnesium Research. 2001.
Fonte

10. Díaz-Tocados JM, Herencia C, Martínez-Moreno JM, Oca AMD, Rodríguez-Ortiz ME, Vergara N, et al. Magnesium Chloride promotes Osteogenesis through Notch signaling activation and expansion of Mesenchymal Stem Cells. Scientific Reports. 2017;7(1).
Fonte

11. Lindberg GS, Tepper R, Leichter I. Trabecular bone density in a two year controlled trial of peroral magnesium in osteoporosis. Magnesium research. 1993.
Fonte

12. Sojka JE. Magnesium Supplementation and Osteoporosis. Nutrition Reviews. 2009;53(3):71–4.
Fonte

13. Magnesio en la dieta: MedlinePlus enciclopedia médica [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine; 2020 [cited 2020Jul26].
Fonte

14. Arsenian MA. Magnesium and cardiovascular disease. Progress in Cardiovascular Diseases. 1993;35(4):271–310.
Fonte

15. Agus MS, Agus ZS. Cardiovascular Actions of Magnesium. Critical Care Clinics. 2001;17(1):175–86.
Fonte

16. JJ; GMPVSLM. Therapeutic uses of magnesium [Internet]. American family physician. U.S. National Library of Medicine; 2009.
Fonte

17. Denda M, Katagiri C, Hirao T, Maruyama N, Takahashi M. Some magnesium salts and a mixture of magnesium and calcium salts accelerate skin barrier recovery. Archives of Dermatological Research. 1999;291(10):560–3
Fonte

18. Proksch E, Nissen H-P, Bremgartner M, Urquhart C. Bathing in a magnesium-rich Dead Sea salt solution improves skin barrier function, enhances skin hydration, and reduces inflammation in atopic dry skin. International Journal of Dermatology. 2005;44(2):151–7.
Fonte

19. Mccoy JH, Kenney MA. Magnesium and Immune Function: A Review. Magnesium in Cellular Processes and Medicine. 1988;:196–211.
Fonte

20. Tam M, Gómez S, González-Gross M, Marcos A. Possible roles of magnesium on the immune system. European Journal of Clinical Nutrition. 2003;57(10):1193–7.
Fonte

21. Laires MJ, Monteiro C. Exercise, magnesium and immune function. Magnesium Research. 2008.
Fonte

22. Síndrome de fatiga crónica: MedlinePlus en español [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine.
Fonte

23. Cox I, Campbell M, Dowson D. Red blood cell magnesium and chronic fatigue syndrome. The Lancet. 1991;337(8744):757–60
Fonte

24. Hruby A, Ngwa JS, Renström F, Wojczynski MK, Ganna A, Hallmans G, et al. Higher Magnesium Intake Is Associated with Lower Fasting Glucose and Insulin, with No Evidence of Interaction with Select Genetic Loci, in a Meta-Analysis of 15 CHARGE Consortium Studies. The Journal of Nutrition. 2013;143(3):345–53.
Fonte

25. Rodríguez-Moran M, Guerrero-Romero F. Oral Magnesium Supplementation Improves the Metabolic Profile of Metabolically Obese, Normal-weight Individuals: A Randomized Double-blind Placebo-controlled Trial. Archives of Medical Research. 2014;45(5):388–93.
Fonte

26. Bohl CH, Volpe SL. Magnesium and Exercise. Critical Reviews in Food Science and Nutrition. 2002;42(6):533–63.
Fonte

27. Setaro L, Santos-Silva PR, Nakano EY, Sales CH, Nunes N, Greve JM, et al. Magnesium status and the physical performance of volleyball players: effects of magnesium supplementation. Journal of Sports Sciences. 2013;32(5):438–45.
Fonte

28. Santos DA, Matias CN, Monteiro CP, Silva AM, Rocha PM, Minderico CS, et al. Magnesium intake is associated with strength performance in elite basketball, handball and volleyball players. Magnesium Research. 2011;24(4):215–9.
Fonte

29. Magnesium Chloride Oral : Uses, Side Effects, Interactions, Pictures, Warnings & Dosing [Internet]. WebMD. WebMD.
Fonte

30. Office of Dietary Supplements – Magnesio [Internet]. NIH Office of Dietary Supplements. U.S. Department of Health and Human Services. 2020.
Fonte

31. Magnesium: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning [Internet]. WebMD. WebMD; 2020.
Fonte

32. Uysal N, Kizildag S, Yuce Z, Guvendi G, Kandis S, Koc B, et al. Timeline (Bioavailability) of Magnesium Compounds in Hours: Which Magnesium Compound Works Best? Biological Trace Element Research. 2018;187(1):128–36.
Fonte

33. Gluconato de magnesio: MedlinePlus medicinas [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine; 2020.
Fonte

34. Citrato de magnesio: MedlinePlus medicinas [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine.
Fonte

35. Gröber U, Werner T, Vormann J, Kisters K. Myth or Reality—Transdermal Magnesium? Nutrients. 2017;9(8):813.
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Angélica Collado Formada em Medicina
O objetivo de Angélica é seguir sua evolução constante no universo da saúde. Apaixonada por encontrar novas e melhores maneiras de aproveitar uma vida saudável e de aliviar as dores das pessoas,
Redatora do Saudável&Forte, Luiza pesquisa com muito cuidado e auxiliar na redação e edição de artigos relevantes que envolvem um dos temas que mais lhe interessam: o universo da suplementação.
Livro
Holleman AF, Wiberg N, Wiberg E. Inorganic chemistry. San Diego: Academic Press; 2001.
Ir para a fonte
Livro
Hill JW, Petrucci RH. General chemistry. Upper Saddle River, NJ: Pearson Prentice Hall; 2005.
Ir para a fonte
Artigo científico
Malpass DB. Commercially Available Metal Alkyls and Their Use in Polyolefin Catalysts. Handbook of Transition Metal Polymerization Catalysts. 2010;:1–28.
Ir para a fonte
Artigo científico
Kashiwa N. The discovery and progress of MgCl2-supported TiCl4 catalysts. Journal of Polymer Science Part A: Polymer Chemistry. 2003;42(1):1–8.
Ir para a fonte
Site oficial
Approved additives and E numbers [Internet]. Food Standards Agency. 2020
Ir para a fonte
Artigo científico
Jain J, Olek J, Janusz A, Jozwiak-Niedzwiedzka D. Effects of Deicing Salt Solutions on Physical Properties of Pavement Concretes. Transportation Research Record: Journal of the Transportation Research Board. 2012;2290(1):69–75.
Ir para a fonte
Artigo científico
Webster DH. COMPARISON OF MAGNESIUM SULFATE AND THIS Mg CHELATE FOLIAR SPRAYS; RESPOSE OF Mg-DEFICIENT BEAUTIFUL ARCADE APPLE SEEDLINGS. Canadian Journal of Plant Science. 1985;65(1):131–6.
Ir para a fonte
Artigo científico
Magnesium Chloride Toxicity in Trees [Internet]. Colorado State University. 2008.
Ir para a fonte
Artigo científico
Firoz M, Graber M. Bioavailability of US commercial magnesium preparations. Magnesium Research. 2001.
Ir para a fonte
Estudo em ratos
Díaz-Tocados JM, Herencia C, Martínez-Moreno JM, Oca AMD, Rodríguez-Ortiz ME, Vergara N, et al. Magnesium Chloride promotes Osteogenesis through Notch signaling activation and expansion of Mesenchymal Stem Cells. Scientific Reports. 2017;7(1).
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Lindberg GS, Tepper R, Leichter I. Trabecular bone density in a two year controlled trial of peroral magnesium in osteoporosis. Magnesium research. 1993.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Sojka JE. Magnesium Supplementation and Osteoporosis. Nutrition Reviews. 2009;53(3):71–4.
Ir para a fonte
Site oficial
Magnesio en la dieta: MedlinePlus enciclopedia médica [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine; 2020 [cited 2020Jul26].
Ir para a fonte
Artigo científico
Arsenian MA. Magnesium and cardiovascular disease. Progress in Cardiovascular Diseases. 1993;35(4):271–310.
Ir para a fonte
Artigo científico
Agus MS, Agus ZS. Cardiovascular Actions of Magnesium. Critical Care Clinics. 2001;17(1):175–86.
Ir para a fonte
Artigo científico
JJ; GMPVSLM. Therapeutic uses of magnesium [Internet]. American family physician. U.S. National Library of Medicine; 2009.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Denda M, Katagiri C, Hirao T, Maruyama N, Takahashi M. Some magnesium salts and a mixture of magnesium and calcium salts accelerate skin barrier recovery. Archives of Dermatological Research. 1999;291(10):560–3
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Proksch E, Nissen H-P, Bremgartner M, Urquhart C. Bathing in a magnesium-rich Dead Sea salt solution improves skin barrier function, enhances skin hydration, and reduces inflammation in atopic dry skin. International Journal of Dermatology. 2005;44(2):151–7.
Ir para a fonte
Artigo científico
Mccoy JH, Kenney MA. Magnesium and Immune Function: A Review. Magnesium in Cellular Processes and Medicine. 1988;:196–211.
Ir para a fonte
Artigo científico
Tam M, Gómez S, González-Gross M, Marcos A. Possible roles of magnesium on the immune system. European Journal of Clinical Nutrition. 2003;57(10):1193–7.
Ir para a fonte
Artigo científico
Laires MJ, Monteiro C. Exercise, magnesium and immune function. Magnesium Research. 2008.
Ir para a fonte
Site oficial
Síndrome de fatiga crónica: MedlinePlus en español [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Cox I, Campbell M, Dowson D. Red blood cell magnesium and chronic fatigue syndrome. The Lancet. 1991;337(8744):757–60
Ir para a fonte
Artigo científico
Hruby A, Ngwa JS, Renström F, Wojczynski MK, Ganna A, Hallmans G, et al. Higher Magnesium Intake Is Associated with Lower Fasting Glucose and Insulin, with No Evidence of Interaction with Select Genetic Loci, in a Meta-Analysis of 15 CHARGE Consortium Studies. The Journal of Nutrition. 2013;143(3):345–53.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Rodríguez-Moran M, Guerrero-Romero F. Oral Magnesium Supplementation Improves the Metabolic Profile of Metabolically Obese, Normal-weight Individuals: A Randomized Double-blind Placebo-controlled Trial. Archives of Medical Research. 2014;45(5):388–93.
Ir para a fonte
Artigo científico
Bohl CH, Volpe SL. Magnesium and Exercise. Critical Reviews in Food Science and Nutrition. 2002;42(6):533–63.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Setaro L, Santos-Silva PR, Nakano EY, Sales CH, Nunes N, Greve JM, et al. Magnesium status and the physical performance of volleyball players: effects of magnesium supplementation. Journal of Sports Sciences. 2013;32(5):438–45.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Santos DA, Matias CN, Monteiro CP, Silva AM, Rocha PM, Minderico CS, et al. Magnesium intake is associated with strength performance in elite basketball, handball and volleyball players. Magnesium Research. 2011;24(4):215–9.
Ir para a fonte
Site oficial
Magnesium Chloride Oral : Uses, Side Effects, Interactions, Pictures, Warnings & Dosing [Internet]. WebMD. WebMD.
Ir para a fonte
Site oficial
Office of Dietary Supplements – Magnesio [Internet]. NIH Office of Dietary Supplements. U.S. Department of Health and Human Services. 2020.
Ir para a fonte
Site oficial
Magnesium: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning [Internet]. WebMD. WebMD; 2020.
Ir para a fonte
Artigo científico
Uysal N, Kizildag S, Yuce Z, Guvendi G, Kandis S, Koc B, et al. Timeline (Bioavailability) of Magnesium Compounds in Hours: Which Magnesium Compound Works Best? Biological Trace Element Research. 2018;187(1):128–36.
Ir para a fonte
Site oficial
Gluconato de magnesio: MedlinePlus medicinas [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine; 2020.
Ir para a fonte
Site oficial
Citrato de magnesio: MedlinePlus medicinas [Internet]. MedlinePlus. U.S. National Library of Medicine.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gröber U, Werner T, Vormann J, Kisters K. Myth or Reality—Transdermal Magnesium? Nutrients. 2017;9(8):813.
Ir para a fonte