cogumelos alucinógenos
Ultima atualização: 23 de outubro de 2020

Como escolhemos

26Horas investidas

11Estudos avaliados

Você já ouviu falar sobre os cogumelos alucinógenos? Talvez este nome te faça pensar em "drogas psicodélicas" da década de 60. No entanto, estes cogumelos não são "coisas do passado". Hoje, mais do que nunca, especialistas e amantes dos "cogumelos mágicos" propõem abordá-los com uma visão mais científica.

Os cogumelos alucinógenos podem oferecer um "antes e depois" no mundo da ciência. Podem ajudar a controlar doenças como a depressão e tratar vícios. Não há dúvidas de que seu potencial médico é muito interessante. Mas, são seguros? Vamos ver o que a ciência diz. Confira!




O mais importante

  • O termo "cogumelos alucinógenos" é utilizado para designar mais de 100 espécies de cogumelos com capacidade de provocar efeitos sobre o cérebro.
  • Os cogumelos alucinógenos são utilizados tradicionalmente em rituais religiosos e como drogas de recreação. No entanto, seus efeitos também podem ajudar a aliviar problemas mentais no futuro.
  • Ainda são necessários mais estudos que permitam determinar modos de usos seguros e efetivos destes cogumelos. No momento, ainda são consideradas substâncias ilegais.

Tudo sobre os cogumelos alucinógenos

Dos ritos sagrados dos xamãs amazônicos até os laboratórios mais tecnológicos, os cogumelos alucinógenos tem sido utilizados ao longo dos séculos para "abrir as mentes" ou "compreender a natureza". Agora, a ciência está examinando estes produtos mais de perto. São simples drogas ou possuem algo a mais?

cogumelos alucinógenos

O composto ativo mais importante dos cogumelos alucinógenos é a psilocibina. (Fonte: Kirillvasilevcom: 145964189 / 123rf.com)

O que são os cogumelos alucinógenos?

Os cogumelos alucinógenos são cogumelos comestíveis, capazes de afetar a mente humana. Eles têm sido utilizados há milênios como remédios medicinais ou drogas. Neste último caso, são utilizados como "diversão" ou em contextos religiosos-espirituais.

A verdade é que existem milhares de espécies de cogumelos capazes de influenciar a mente. A maioria destes cogumelos têm suas ações a partir da psilocibina, o "princípio ativo" ou a molécula mais importante destes cogumelos (1).

O que significa o termo “alucinógeno”?

Quando falamos de alucinógenos, estamos nos referindo a um tipo específico de substância. Especificamente, falamos de um produto que te fará perceber "coisas que não existem". Desta forma, os alucinógenos permitem experimentar o mundo de uma forma totalmente diferente.

Uma substância alucinógena permite ver o mundo de uma forma muito diferente.

Além disso, os alucinógenos podem alterar a capacidade para interpretar suas próprias emoções e sensações. Sob a influência destes compostos, é possível sentir menos dor ou manifestar alegria e euforia. No entanto, também é possível sentir medo ou confusão extrema.

Este último efeito é conhecido, coloquialmente, como "bad trip". Os cogumelos alucinógenos também são conhecidos como cogumelos "psicodélicos" (do grego, "manifestação da mente") ou "cogumelos mágicos".

Também existem outros nomes mais complexos, como "enteógenos" (inspiração divina) ou "plantas energizantes". Neste caso, os termos se referem aos possíveis poderes "místicos" ou religiosos destes cogumelos (2, 3).

Michael PollanJornalista e escritor

"Temos um enorme problema com a depressão, que afeta mais de 300 milhões de pessoas no mundo todo, ou com o vício em substâncias como o ópio ou o álcool. Existe uma crise global de saúde mental e esta é uma ferramenta para afrontá-la."

Quais são os potenciais usos dos cogumelos alucinógenos?

Os cogumelos alucinógenos têm sido utilizados há milênios em culturas antigas. Por exemplo, os xamãs os utilizam para seus rituais. Algumas pessoas também recorrem à eles para experimentar "novas sensações" ou, inclusive, como diversão.

Mas, e se deixarmos de lado a forma mais "popular" de utilizar estes cogumelos e olharmos "além"? É possível que a psilocibina destes cogumelos possa ser aproveitada pelos especialistas da saúde para melhorar o bem estar? Vamos ver o que a ciência diz (2, 3)!

Humor

Vários estudos relacionaram o uso da psilocibina com uma melhora do humor. Ao administrar este composto em voluntários, surgiram todos os tipos de benefícios, como:

  • Melhora do humor (redução da tristeza);
  • Atitude “positiva” perante a vida;
  • Relações sociais mais satisfatórias.

Os experimentos foram realizados em ambientes controlados. Os voluntários estiveram em todos os momentos acompanhados por especialistas.

Supreendentemente, os resultados foram obtidos após duas ou três sessões com psilocibina e foram mantidas durante meses. Neste experimento, não foram observados efeitos colaterais nos voluntários.

Ansiedade

O princípio ativo dos cogumelos alucinógenos foi testado para tentar aliviar a angústia em pessoas com doenças graves (como o câncer). Nestes pacientes, a psilocibina produziu um alívio notável na ansiedade. Também melhorou o humor e produziu uma maior "aceitação" da doença.

No entanto, também é importante considerar que, nestes pacientes, a psilocibina elevou a pressão arterial e acelerou os batimentos cardíacos.

cogumelos alucinógenos

Os cogumelos alucinógenos podem ser consumidos frescos, secos ou em pó. (Fonte: Tishchenko: 146187592 / 123rf.com)

Transtorno obsessivo-compulsivo

A psilocibina nos cogumelos alucinógenos pode ajudar a aliviar alguns sintomas do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Existem dados que sugerem que esta substância pode reduzir os "pensamentos intrusivos" (ideias "impossíveis de tirar da mente") do TOC.

No entanto, estes estudos são muito pequenos e precisam ser ratificados por experimentos de maior validade. Além disso, em um dos estudos surgiu hipertensão transitória (passageira) durante as sessões.

Vícios

Você sabia que os cogumelos alucinógenos podem reduzir a dependência de outras drogas? Por exemplo, existem estudos que utilizaram a psilocibina para tratar a dependência do álcool ou do cigarro. Os resultados foram bem-sucedidos na maioria das intervenções.

Entre os voluntários destes estudos, foi observado efeitos colaterais leves a moderados. Foi descrito hipertensão passageira, dor de cabeça e sensações desagradáveis.

Michael PollanJornalista e escritor

"É muito importante levar em consideração que a maneira de utilizar estas drogas em um tratamento não tem relação com as versões consumidas para recreação. É um processo controlado, em um ambiente seguro."

Os cogumelos alucinógenos são perigosos?

A Global Drug Survey (a empresa pesquisadora mais completa sobre drogas de abuso em todo o mundo) qualificou os cogumelos alucinógenos como "a droga mais segura" (4).

Mas, preste atenção! Este dado indica que os cogumelos alucinógenos são "menos perigosos" que outras substâncias, como a cannabis sintética, a cocaína ou o ecstasy. Em nenhum momento é garantido que os cogumelos psicodélicos são inofensivos.

Assim como qualquer outra substância, os cogumelos alucinógenos podem provocar efeitos colaterais desagradáveis, como (5):

  • Hipertensão: Elevação da pressão sanguínea acima do normal.
  • Taquicardia: Batimentos cardíacos acelerados.
  • Comportamento de risco: Comportamentos imprevisíveis que podem colocá-lo em perigo (você e as pessoas à sua volta).
  • Ansiedade persistente: “Nervosismo” ou “estresse” que não para depois de realizar uma ou várias sessões com os cogumelos alucinógenos.
  • Bad trip”: Sensação angustiante, onde surgem alucinações que causam medo e angústia.
  • Deterioração da saúde mental: Piora do caráter, humor ou comportamento.

É mais provável que apareçam estes problemas se você utilizar uma quantidade excessiva de cogumelos alucinógenos ou misturar a psilocibina com outras drogas.

Além disso, as mulheres e pessoas com problemas para controlar a ansiedade podem ser mais suscetíveis a sofrer a "bad trip" ou efeitos colaterais na saúde mental.

Os cogumelos alucinógenos são legais no Brasil?

A situação legal dos "cogumelos mágicos" no Brasil é complicada. Estes produtos são de venda controlada, já que psilocibina é proibida, mas os cogumelos não entram na lista desta legislação, então a interpretação pode ser ambígua.

Por exemplo, os cogumelos podem ser cultivados e consumidos de forma particular, mas não podem ser vendidos em lojas. Desta forma, a probabilidade de ter problemas com a lei com o uso destes cogumelos é alta (6).

A produção destes produtos não é regulamentada por nenhum órgão oficial do Brasil. Portanto, se você adquirir, pode estar exposto a substâncias perigosas e até mesmo tóxicas para a saúde. É um risco muito alto que não vale a pena.

cogumelos alucinógenos

A psilocibina dos cogumelos alucinógenos também pode ser consumida de forma líquida. (Fonte: Tishchenko: 150956185 / 123rf.com)

Mais de perto: Perguntas frequentes sobre os cogumelos alucinógenos

Os cogumelos alucinógenos são muito utilizados para "elevar a consciência", "abrir a mente para novas experiências" ou "romper os limites da mente". Mas, quais são os prós e os contras destas "drogas" milenares? Vamos revisar os dados que a ciência nos mostra para conhecê-lo mais a fundo. Vamos lá!

Como consumir?

Geralmente, os cogumelos alucinógenos são secos e incorporados em alimentos, chás ou bebidas. Em alguns casos, a psilocibina pode ser extraída dos cogumelos em forma líquida. Desta forma, é consumida através de injeções (5).

Cuidado: Uma pessoa que não seja especialista em cogumelos corre um risco muito elevado de confundir os "cogumelos mágicos" com cogumelos venenosos. Além disso, muitos produtos podem estar combinados com drogas ilegais, como LSD ou cannabis.

cogumelos alucinógenos

Os cogumelos alucinógenos são muito utilizados para "elevar a consciência", "abrir a mente para novas experiências" ou "romper os limites da mente". (Fonte: Martinak: 88532368 / 123rf.com)

Quanto tempo duram seus efeitos?

As ações da psilocibina começam cerca de vinte minutos após a ingestão dos cogumelos. Seus efeitos geralmente duram cerca de seis horas.

É possível detectar a psilocibina na urina até oito horas depois de ingeri-la. No entanto, pode ser detectada no cabelo até noventa dias depois do seu uso (2, 5).

São viciantes?

A princípio, os cogumelos alucinógenos não provocam dependência. No entanto, os órgãos oficiais os consideram "drogas de abuso" que podem causar problemas graves para a saúde e a vida social das pessoas que utilizam (2, 5).

Profesor Adam R. WinstockPsiquiatra e fundador da Global Drug Survey

"O uso combinado do álcool e o uso em ambientes de risco ou desconhecido aumentam os danos que os cogumelos alucinógenos podem causar, como lesões, pânico e confusão de curta duração, desorientação e medo de perder a cabeça."

Eles causam tolerância?

Acredita-se que os cogumelos alucinógenos são capazes de provocar tolerância rapidamente. Esta característica torna necessário consumir doses progressivamente maiores para experimentar os mesmos efeitos que na primeira vez.

Consumir doses cada vez maiores pode aumentar as chances de aparecer intoxicações desagradáveis. Portanto, esta tolerância pode oferecer um risco claro para a saúde (2, 5).

O que ocorre se consumi-los em excesso?

Felizmente, a morte pela overdose de cogumelos alucinógenos é extremamente rara. No entanto, a experiência de consumir "cogumelos mágicos" em excesso pode ser assustadora. Esta situação pode provocar os seguintes sintomas (2, 5, 7):

  • Sensação de medo;
  • Ansiedade extrema;
  • Paranoia (ideias “estranhas”, por exemplo, de ser perseguido ou observado);
  • Visões desagradáveis;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Hipertensão arterial;
  • Taquicardia;
  • Enjoos;
  • Sudorese.

É recomendado procurar ajuda urgente se surgir algum destes sintomas. Felizmente, a maioria dos efeitos negativos dos cogumelos desaparecem após algumas horas.

No entanto, algumas pessoas podem "reviver" os piores momentos da intoxicação dias ou meses depois da experiência. Este evento é conhecido como flashback e exige assistência médica.

cogumelos alucinógenos

Não utilize cogumelos alucinógenos por conta própria, você pode sofrer graves efeitos colaterais. (Fonte: Martinak: 117779992 / 123rf.com)

Quais são suas contraindicações?

Não esqueça que os cogumelos alucinógenos são considerados drogas de abuso. Portanto, são contraindicados em qualquer conceito, para qualquer pessoa. Não podem ser utilizados para tratar nenhuma doença ou sintoma.

Não é possível consumi-los de forma "suficientemente segura". Algumas pessoas serão ainda mais sensíveis às ações da psilocibina. Suas características individuais tornarão muito mais suscetíveis a sofrer de "bad trip" ou efeitos negativos.

Nos seguintes casos, os "cogumelos mágicos" podem provocar efeitos muito perigosos (5, 8, 9):

  • Mulheres grávidas ou em período de amamentação;
  • Pessoas com transtornos mentais diagnosticados;
  • Indivíduos que estão tristes ou ansiosos no momento da sessão;
  • Menores de idade;
  • Pessoas que sofrem de problemas de saúde crônicos;
  • Pessoas com transplantes cardíacos;
  • Pessoas sozinhas, que não tem ninguém supervisionando durante o uso dos cogumelos;
  • Indivíduos que combinam os cogumelos com outras drogas.

Nossas conclusões

Os cogumelos alucinógenos acompanham a civilização humana durante milênios. Têm sido utilizados como remédios pelos xamãs e curandeiros. E também são consumidos como "drogas recreativas" em alguns locais.

Porém, estes cogumelos curiosos podem ser uma grande "revolução" na área da ciência. Vamos observar suas características (1, 5, 6, 10)!

Características
Origem Cogumelos com psilocibina, se destacam os cogumelos dos gêneros Psylocibe e Pluteus

São conhecidas mais de 100 espécies

Formato Cogumelos secos

Cogumelos frescos "trufas" (parte subterrânea do cogumelo)

Psilocibina líquida

Metabolismo Os efeitos começam após cerca de 20 - 40 minutos

Os efeitos terminam após cerca de 6 horas

Detecção da psilocibina na urina até 8 horas depois do consumo

No cabelo, a psilocibina pode ser detectada até 90 dias após o uso

Usos Recreativo (psicodélico)

Místico-religioso (espiritual-transformador)

Médico-científico (potencial psicotrópico)

Efeitos sob estudo* Tratamento da depressão grave

Alívio de sintomas da ansiedade

Controle de sintomas do transtorno obsessivo-compulsivo

Controle do vício ao álcool e cigarro

Efeitos colaterais Bad trip

Taquicardia

Hipertensão (normalmente passageira)

Boca seca

Náuseas

Sudorese

Aumento da temperatura corporal

Pupilas dilatadas

Perigos Confusão com cogumelos venenosos e posterior intoxicação

Comportamento de risco ou violento

Aparecimento de transtornos psiquiátricos

Agravamento de problemas psicológicos já existentes

Lesão cardíaca e morte (em pessoas com problemas cardíacos)

Intoxicação grave e morte (extremamente rara)

Situação legal Ilegal para consumo e venda na grande maioria dos países do mundo

Cultivo para venda: Ilegal no Brasil

Venda e posse: Ilegal no Brasil

Uso privado: Não é crime

A normativa é aplicada a qualquer composto que inclua psilocibina

*Esta tabela tem uma função informativa e não substitui um conselho médico individualizado. Os cogumelos alucinógenos não devem ser utilizados para tratar ou curar nenhuma doença.

Embora a psilocibina pode ser um tratamento para doenças mentais, sua segurança ainda deixa muito a desejar. É necessário saber qual dose utilizar e como controlar seus efeitos colaterais para aproveitar dos benefícios.

Por enquanto, recomendamos que você se dedique a se informar sobre os "cogumelos mágicos".

  • O melhor: Seus efeitos sobre a mente humana. Seu potencial para avançar na criação de novos medicamentos (2).
  • O pior: Não existe uma dose bem definida pelo método científico. Seus efeitos são imprescindíveis. Podem beneficiar algumas pessoas e prejudicar outras (7, 8).
  • Nosso conselho: Aprenda sobre os cogumelos alucinógenos, mas não utilize por conta própria. Tenha cuidado com os produtos oferecidos como "cogumelos mágicos". Muitas vezes, podem ser combinados com outras drogas ilegais (11).

Resumo

Os cogumelos alucinógenos são muito mais que uma "droga recreativa". Estes cogumelos podem ajudar as pessoas a "redescobrir" a mente. No futuro, os especialista irão utilizar a psilocibina como um medicamento. Desta forma, serão criados novos tratamentos para a depressão, a ansiedade e muitos tipos de vícios. Tem muito potencial!

No entanto, os cogumelos alucinógenos não estão isentos de efeitos colaterais. Apesar de ser uma das "drogas mais seguras", podem causar todo tipo de efeito colateral. Por isso, recomendamos que você seja paciente. Deixe a ciência pesquisar e oferecer uma forma de utilização com segurança. A espera valerá a pena!

Se, com este artigo, você conseguiu entender mais sobre os cogumelos alucinógenos, por favor, deixe um comentário para nós e compartilhe este artigo em suas redes sociais!

(Fonte da imagem destacada: Kraulis: 109031145 / 123rf.com)

Referências (11)

1. Trimble M. Buzzed: The Straight Facts About the Most Used and Abused Drugs from Alcohol to Ecstasy (Third Edition). Ulster Med J . 2009 ;78(3).
Fonte

2. Daniel J, Haberman M. Clinical potential of psilocybin as a treatment for mental health conditions. Ment Heal Clin . 2017 Jan 1 ;7(1):24–8.
Fonte

3. Halberstadt AL, Nichols DE, Vollenweider FX. Behavioral Neurobiology of Psychedelic Drugs . Vol. 2, Current Topics in Behavioral Neurosciences. 2017. i–xv.
Fonte

4. Global Drug Survey.
Fonte

5. Act CS, Wasson G, Magazine L, Hofmann A, Pharmaceuticals S, Alliance DP, et al. Psilocybin Mushrooms Fact Sheet. 2017;(January):1–5.
Fonte

6. Regulamento ANVISA sobre Substâncias Psicotrópicas. Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998.
Fonte

7. Bienemann B, Ruschel NS, Campos ML, Negreiros MA, Mograbi DC. Self-reported negative outcomes of psilocybin users: A quantitative textual analysis. PLoS One . 2020 Feb 1 ;15(2).
Fonte

8. Peden NR, Macaulay KEC, Bissett AF, Crooks J, Pelosi AJ. Clinical toxicology of “magic mushroom” ingestion. Postgrad Med J . 1981 ;57(671):543–5.
Fonte

9. Lim TH, Wasywich CA, Ruygrok PN. A fatal case of “magic mushroom” ingestion in a heart transplant recipient . Vol. 42, Internal Medicine Journal. 2012 . p. 1268–9.
Fonte

10. Johnson MW, Richards WA, Griffiths RR. Human hallucinogen research: Guidelines for safety . Vol. 22, Journal of Psychopharmacology. NIH Public Access; 2008 . p. 603–20.
Fonte

11. Barnby JM, Mehta MA. Psilocybin and mental health-don’t lose control . Vol. 9, Frontiers in Psychiatry. Frontiers Media S.A.; 2018 . p. 293.
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Livro
Trimble M. Buzzed: The Straight Facts About the Most Used and Abused Drugs from Alcohol to Ecstasy (Third Edition). Ulster Med J . 2009 ;78(3).
Ir para a fonte
Artigo científico
Daniel J, Haberman M. Clinical potential of psilocybin as a treatment for mental health conditions. Ment Heal Clin . 2017 Jan 1 ;7(1):24–8.
Ir para a fonte
Livro
Halberstadt AL, Nichols DE, Vollenweider FX. Behavioral Neurobiology of Psychedelic Drugs . Vol. 2, Current Topics in Behavioral Neurosciences. 2017. i–xv.
Ir para a fonte
Pesquisadora
Global Drug Survey.
Ir para a fonte
Documento oficial
Act CS, Wasson G, Magazine L, Hofmann A, Pharmaceuticals S, Alliance DP, et al. Psilocybin Mushrooms Fact Sheet. 2017;(January):1–5.
Ir para a fonte
Regulamento
Regulamento ANVISA sobre Substâncias Psicotrópicas. Portaria n.º 344, de 12 de maio de 1998.
Ir para a fonte
Artigo científico
Bienemann B, Ruschel NS, Campos ML, Negreiros MA, Mograbi DC. Self-reported negative outcomes of psilocybin users: A quantitative textual analysis. PLoS One . 2020 Feb 1 ;15(2).
Ir para a fonte
Artigo científico
Peden NR, Macaulay KEC, Bissett AF, Crooks J, Pelosi AJ. Clinical toxicology of “magic mushroom” ingestion. Postgrad Med J . 1981 ;57(671):543–5.
Ir para a fonte
Artigo científico
Lim TH, Wasywich CA, Ruygrok PN. A fatal case of “magic mushroom” ingestion in a heart transplant recipient . Vol. 42, Internal Medicine Journal. 2012 . p. 1268–9.
Ir para a fonte
Guia clínico
Johnson MW, Richards WA, Griffiths RR. Human hallucinogen research: Guidelines for safety . Vol. 22, Journal of Psychopharmacology. NIH Public Access; 2008 . p. 603–20.
Ir para a fonte
Artigo científico
Barnby JM, Mehta MA. Psilocybin and mental health-don’t lose control . Vol. 9, Frontiers in Psychiatry. Frontiers Media S.A.; 2018 . p. 293.
Ir para a fonte