comprimidos e comprimidos
Ultima atualização: 10 de outubro de 2020

Como escolhemos

16Produtos analisados

23Horas investidas

20Estudos avaliados

75Comentários coletados

A saúde da mulher é um assunto que muitas vezes é deixado de lado. É muito comum “esquecer” que o corpo da mulher tem um equilíbrio corporal muito particular e uma série de doenças que exigem uma atenção especial. Este é o caso, por exemplo, da síndrome do ovário policístico.

Mas existe um suplemento que pode ajudar as mulheres que sofrem de desequilíbrios hormonais, favorecendo a regulação dos hormônios femininos e, inclusive, melhorando problemas tão complicados como a dificuldade de engravidar. Você já ouviu falar no inositol? Neste artigo, vamos revelar todos os seus segredos!

O mais importante

  • O inositol não é uma molécula, mas sim um grupo de substâncias importantes para o equilíbrio celular.
  • Entre estes compostos, se destaca o mioinositol, um tipo de inositol com ações possivelmente benéficas para o equilíbrio hormonal feminino e a fertilidade.
  • Na hora de escolher um suplemento com inositol, lembre se consultar seu médico, revisar os alérgenos do produto e seus ingredientes, identificar substâncias adicionais e escolher um artigo com uma boa relação custo-benefício. Você pode encontrar estes suplementos em cápsulas ou em pó.

Os melhores suplementos de inositol: Nossas recomendações

A síndrome do ovário policístico e a infertilidade são problemas de saúde graves que você sempre deve tratar com um especialista. Se durante este tratamento o seu médico propõe utilizar o inositol, você pode recorrer aos seguintes produtos. Observe:

As melhores cápsulas de inositol para o sistema nervoso

Este suplemento de inositol da Now Foods é combinado com colina, esses nutrientes são essenciais para a melhora da cognição e saúde das células cerebrais, por isso, é indicado para a saúde do sistema nervoso. Em uma embalagem com 100 cápsulas veganas, a dose recomendada é de 1 cápsula ao dia, de preferência junto com alguma refeição.

O melhor inositol em pó

Este suplemento de inositol em pó é indicado para o tratamento da Síndrome do Ovário Policístico. Combinado com ácido fólico, tem um sabor suave de tangerina. Este suplemento é vendido em embalagens com 30, 60 ou 90 sachês de doses individuais. O recomendado é tomar 1 sachê ao dia. Para preparar, basta misturar o conteúdo em um copo de água, misturar bem e consumir logo em seguida.

As melhores cápsulas de inositol com biotina e colina

A combinação de inositol com biotina e colina é essencial para o metabolismo de gorduras, carboidratos e proteínas. Também contribui para a saúde do cérebro, músculos, coração e fortalecimento de unhas e cabelo. Em uma embalagem com 100 cápsulas de 250 mg cada, a dose recomendada é de 2 cápsulas ao dia.

Guia de compras: Tudo que você precisa saber sobre o inositol

O “inositol” se refere a múltiplas moléculas que permitem que o corpo mantenha um estado de bem estar e equilíbrio metabólico. Como suplementos, os inositóis podem melhorar a saúde das mulheres afetadas pela síndrome do ovário policístico, ajuda a conseguir engravidar e também melhora os sintomas dos transtornos mentais, com o síndrome do pânico.

garota fazendo pilates

A maioria dos efeitos positivos do inositol beneficiam a saúde da mulher. (Fonte: Twinsterphoto: 115237672 / 123rf.com)

O que é o inositol?

O termo inositol engloba um grupo de nove moléculas que estão presentes no nosso corpo e nas células de outros seres vivos. No entanto, destas nove substâncias, o mioinositol é a mais estudada.

Também é a mais utilizada na área da suplementação e não é raro que os termos “inositol” e “mioinositol” sejam utilizados de forma alternada.

As moléculas de inositol fazem parte das membranas das células humanas, dando estabilidade.

Além disso, têm funções “mensageiras”, ajudando a manter um equilíbrio hormonal, nervoso e metabólico em todo o corpo humano e especialmente no cérebro. Sua importância fez com que o inositol, em alguns casos, fosse considerado uma vitamina (vitamina B8 ou Bh).

Porém as vitaminas são, por definição, “substâncias que o corpo humano não pode produzir e precisa ser obtido através da dieta”. O corpo é capaz de gerar suas próprias moléculas de mioinositol (e outros derivados do inositol) a partir da glicose, um tipo de açúcar. Portanto, esta substância tão importante não é uma vitamina (1).

É possível sofrer um déficit de inositol?

Os rins e o fígado são os principais responsáveis em criar o inositol que o corpo precisa diariamente (cerca de 4 gramas). A princípio, esta produção é mais que suficiente para evitar qualquer carência desta substância.

No entanto, os especialistas suspeitam que algumas situações podem provocar a falta de inositol no corpo humano (1, 2, 3, 4):

  • Dietas nutricionalmente pobres: é possível que você precise “complementar” a produção de inositol com o consumo de alimentos ricos desta molécula. Se esta hipótese estiver certa, as dietas muito pobres em frutas e vegetais podem criar uma “carência relativa” desta substância.
  • Desequilíbrio metabólico: o processo de produção e armazenagem de inositol exige várias reações complexas. Se, por qualquer motivo (desequilíbrios hormonais, doenças ou alterações genéticas) este mecanismo for alterado, você pode sofrer uma carência de inositol.
  • Excesso de açúcar: foi observado que o excesso de glicose no sangue pode reduzir as reservas de inositol. Por sua vez, a queda nos níveis de inositol pode piorar o controle de açúcar. Está sendo estudado se este achado pode afetar o bem estar das pessoas com diabetes ou com intolerância à glicose (pré-diabetes).
  • Problemas renais: os rins são grandes “criadores” de inositol. Se sofrem algum tipo de lesão ou doença é possível que a síntese de inositol diminua. Esta situação pode gerar o risco de sofrer uma carência.
  • Medicamentos: alguns medicamentos, como o lítio (medicamento utilizado para o tratamento de transtornos psiquiátricos graves) pode reduzir as reservas de inositol corporal. No entanto, esta hipótese ainda está sendo estudada.

Mas, quais consequências este déficit tem para a saúde? Surpreendentemente, esta carência não parece provocar nenhum sintoma de forma imediata. Até o momento, não foi possível vincular a falta de inositol com uma piora da saúde ou da qualidade de vida das pessoas.

No entanto, foram encontradas alterações nos níveis desta molécula em células de pessoas com diabetes ou síndrome do ovário policístico. É possível que a carência de inositol esteja relacionada com a piora destas doenças? Cedo ou tarde os cientistas vão fornecer a resposta!

frutas para uma dieta balanceada

O inositol está presente em muitos alimentos, como as frutas e verduras frescas. (Fonte: Raths: 104580621 / 123rf.com)

Quais alimentos possuem inositol?

O inositol é encontrado em quantidades variáveis em um grande número de alimentos. Observe a seguinte tabela para descobrir as melhores fontes desta molécula (5):

Tipo de produto Alimentos e conteúdo de mioinositol
Vegetais Alcachofra (116 mg em cada 100 gramas)

Batatas (97 mg em cada 100 gramas)

Beringelas (84 mg em cada 100 gramas)

Colve de Bruxelas (81 mg em cada 100 gramas)

Repolho (70 mg em cada 100 gramas)

Frutas Melão cantaloupe (355 mg em cada 100 gramas)

Laranjas (307 mg em cada 100 gramas)

Toranja (199 mg em cada 100 gramas)

Lima (194 mg em cada 100 gramas)

Amora (173 mg em cada 100 gramas)

Cereais Pão de farinha de trigo integral (288 mg em cada 100 gramas)

Aveia (42 mg em cada 100 gramas)

Arroz integral (22 mg em cada 100 gramas)

Arroz branco (14 mg em cada 100 gramas)

Farinha de centeio (12 mg em cada 100 gramas)

Leguminosas Feijão vermelho (249 mg em cada 100 gramas)

Ervilhas (235 mg em cada 100 gramas)

Feijão de corda (117 mg em cada 100 gramas)

Grãos de soja (88 mg em cada 100 gramos)

Carnes Fígado de frango (40 mg em cada 100 gramas)

Fígado bovino (19 mg em cada 100 gramas)

Costela de porco (13 mg em cada 100 gramas)

Coxa de frango (12 mg em cada 100 gramas)

Carne de cordeiro (11 mg em cada 100 gramas)

Lácteos e ovos Leite com cacau (46 mg em cada copo)

Leite desnatado (10 mg em cada copo)

Queijo Cheddar (9 mg em cada 100 gramas)

Queijo Parmesão (6 mg em cada 100 gramas)

Ovos (5 mg em cada unidade)

Peixes e frutos do mar Ostras (25 mg em cada 100 gramas)

Sardinha enlatada (20 mg em cada 100 gramas)

Atum (15 mg em cada 100 gramas)

Truta (11 mg em cada 100 gramas)

Camarão (7 mg em cada 100 gramas)

Oleaginosas Amêndoas (278 mg em cada 100 gramas)

Amendoim (134 mg em cada 100 gramas)

Nozes (198 mg em cada 100 gramas)

Castanha de caju (81 mg em cada 100 gramas)

Sementes de girassol (12 mg em cada 100 gramas)

Portanto, se você quer elevar a quantidade de mioinositol na sua dieta, lembre-se de incluir as frutas cítricas, os cereais integrais, legumes e oleaginosas. Não foi definida uma quantidade diária de inositol pela dieta, mas as pessoas que consomem dietas ricas em produtos vegetais geralmente têm níveis mais altos deste nutriente.

O inositol presente nos alimentos de origem animal são absorvidos de forma direta em nosso intestino. Mas o inositol dos produtos vegetais precisa ser processado primeiramente pelas bactérias intestinais ou microbiota. Desta forma, você precisa ter uma flora intestinal saudável para absorver o inositol da dieta (6).

Como tomar os suplementos de inositol?

Geralmente, os suplementos de inositol são encapsulados ou em pó, para diluir na água. A dose utilizada varia muito de acordo com o tipo de estudo que é considerado, da doença que você vai tratar e no tipo de inositol que será utilizado.

A seguinte lista pode servir como uma referência (15):

  • Para a síndrome do ovário policístico, foram utilizadas doses de 2-4 gramas/dia de mioinositol ou 1-1,2 gramas/dia de D-quiro-inositol. Também foram testadas combinações de mioinositol (550 mg/dia) e D-quiro-inositol (150 mg/dia).
  • Para controlar os sintomas da síndrome metabólica, em alguns estudos foi recomendado 2 gramas/dia de mioinositol.
  • Para os transtornos de pânico foi recomendada uma dose muito maior, cerca de 12-18 gramas/dia de inositol.

As dosagens informadas acima são apenas informativas. Como não existe uma dose recomendada de inositol, é indicado consultar um especialista para definir uma dose e uma pauta de tratamento que se ajuste ao seu caso. Lembre-se que você vai precisar suplementar durante semanas ou meses para ver os resultados.

Kym CampbellCoach de saúde da Austrália

“Meu conselho é que você preste atenção na sua dieta, se você está tomando inositol e quer ver resultados verdadeiramente positivos.”

Quais os efeitos colaterais dos suplementos de inositol?

Um dos pontos “fortes” do inositol é sua segurança. Até o momento, os suplementos de inositol não demonstraram produzir efeitos colaterais graves. Se você toma uma dose muito alta deste produto (mais de 12 gramas/dia), pode sentir desconforto digestivo, dor de cabeça e tontura.

Até o momento, não foram descritos efeitos colaterais do inositol sobre o feto, nem interações medicamentosas graves entre o inositol e os tratamentos mais comuns.

Ainda assim, recomendamos que você não utilize este produto sem supervisão se você estiver grávida ou amamentando, se tem alguma doença crônica ou toma algum medicamento (15).

Para quem os suplementos de inositol servem?

O papel do inositol na dieta não foi tão amplamente estudado como seu papel na área da suplementação.

Os suplementos de inositol (principalmente o mioinositol, mas também outros derivados como o D-quiro-inositol) demonstraram um potencial para melhorar o sintomas de várias doenças. Vamos falar melhor da sua efetividade abaixo:

Inositol para a síndrome do ovário policístico (7)

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) é uma doença que afeta milhares de mulheres no mundo. Sua origem é desconhecida e pode envolver muitos problemas (hormonais, genéticos, estilo de vida, entre outros).

Afeta o corpo feminino em sua totalidade, podendo provocar diferentes sintomas, como:

  • Resistencia à insulina: o corpo da mulher com SOP pode deixar de responder efetivamente à insulina, hormônio responsável por regular os níveis de açúcar no sangue. Esta situação favorece o aparecimento da síndrome metabólica, uma combinação da obesidade, hipertensão e diabetes, que prejudica a saúde cardiovascular.
  • Acantose nigricans: em algumas mulheres com SOP pode surgir o escurecimento na pele, especialmente nas áreas com “dobras cutâneas” (como axilas e pescoço). Este problema é conhecido como acantose nigricans e ainda não é nociva, mas pode incomodar pela estética.
  • Excesso de hormônios masculinos: o desequilíbrio entre os hormônios femininos e os masculinos que pode aparecer no organismo das mulheres com SOP pode causar acne e hirsutismo (excesso de pelos pelo corpo).
  • Alterações menstruais: para quem tem SOP é comum que a menstruação atrase, seja irregular ou inexistente. É possível que o desequilíbrio hormonal e outros fatores afetem os ovários, impedindo de realizar sua função reprodutora e hormonal.
  • Infertilidade: se os ovários não funcionam bem, você não conseguirá criar óvulos férteis de maneira regular. Se a produção de óvulos não for adequada, você pode ter problemas para conseguir engravidar, um processo que exige células sexuais femininas (óvulos) e masculinas (espermatozóides).

A SOP deve ser diagnosticada por um médico depois de realizar exames físicos e laboratoriais. O tratamento, que também deve ser supervisionado por um especialista, inclui estratégias que vão desde a perda de peso, uso de anticoncepcionais para regular o período ou metformina, para tratar a resistência à insulina.

menino hiperventilado

Está sendo estudado o efeito do inositol nos transtornos de pânico. (Fonte: Mandic: 107711824 / 123rf.com)

Qual o papel do inositol na síndrome do ovário policístico (8)?

Os suplementos de inositol também foram utilizados para combater os sintomas da SOP. Alguns especialistas os consideram como substâncias nutritivas para o ovário, que podem regular o ciclo menstrual a longo prazo (7).

Entre seus potenciais benefícios, estão estes:

  • Controle da síndrome metabólica: alguns estudos com mioinositol e D-quiro-inositol mostraram que vários parâmetros da síndrome metabólica (como pressão arterial elevada e resistência à insulina) melhoram durante a suplementação com inositol. Este produto também pode ajudar algumas mulheres com SOP a perder peso.
  • Restabelecimento da fertilidade: o uso de inositol pode ajudar a regularizar os ciclos menstruais, favorecendo o equilíbrio hormonal. Este efeito pode melhorar a probabilidade das mulheres com SOP ovular e engravidar.
  • Melhoras estéticas: a acne, o excesso de pelos e excesso de pigmentação na pele que afetam algumas mulheres com SOP podem melhorar com o uso de inositol.

Inositol para a fertilidade feminina

E quem tem infertilidade, mas não tem SOP? Nestas mulheres, o uso de suplementos de mioinositol pode ser útil durante o tratamento da fertilidade. Graças a esta molécula, é necessário uma dose menor de hormônios e o tratamento tem menos efeitos colaterais (9).

Mas, cuidado! Isso não significa que você deve utilizar apenas os remédios “naturais” se você não consegue engravidar. Uma consulta médica com um especialista em fertilidade deve ser o primeiro passo se você está tentando engravidar e não está conseguindo.

maquete de arte da vagina

O inositol pode melhorar os sintomas da síndrome do ovário policístico. (Fonte: Menshikova: 141449403 / 123rf.com)

Outros benefícios do inositol

Os suplementos de inositol podem ser muito benéficos para o tratamento de SOP e da infertilidade feminina. Mas, que outras propriedades possuem? Observe a seguinte lista:

  • Fertilidade masculina: alguns estudos revelaram que o inositol também pode ajudar na fertilidade masculina. Os suplementos desta molécula podem contribuir para um esperma de melhor qualidade e espermatozoides “mais vitais”, capazes de fecundar o óvulo (10, 11).
  • Saúde na menopausa: as mulheres que não menstruam mais também podem aproveitar do mioinositol. Esta substância pode melhorar parâmetros como a pressão arterial e o açúcar no sangue, o que pode resultar numa melhora na saúde (12).
  • Estabilidade emocional: o inositol pode ser efetivo para aliviar a síndrome pré-menstrual, uma sensação de ansiedade, tristeza e irritabilidade que afeta algumas mulheres antes da menstruação. Também pode ajudar nos transtornos de pânico (13, 14).
  • Psoríase por lítio: o lítio é um medicamento usado para tratar transtornos mentais graves. Infelizmente, pode provocar problemas na pele. Em alguns experimentos, foi notado que o inositol pode aliviar a descamação e coceira nestes pacientes.

Resumo: o inositol é efetivo?

As moléculas de inositol (e mais especificamente, o mioinositol e o D-quiro-inositol) têm sido frequentemente utilizados para tentar aliviar os sintomas de muitas doenças e desiquilíbrios hormonais.

Mas, para que são úteis e para que não são? Para facilitar “o estudo” deste composto tão interessante, criamos uma tabela com três “grupos”:

  1. O inositol não é eficaz: esta molécula não é efetiva para tratar problemas deste grupo.
  2. São necessários mais estudos sobre o inositol: neste caso, ainda é desconhecido o papel desta substância no tratamento dos problemas descritos neste grupo.
  3. O inositol pode ser eficaz: existem vários estudos a favor da efetividade desta molécula para aliviar os sintomas descritos. Porém, ainda exigem estudos adicionais para determinar a dose adequada ou os possíveis efeitos colaterais.

Não é eficaz São necessários mais estudos Pode ser eficaz*
Tratamento da esquizofrenia, depressão e ansiedade generalizada Tratamento do transtorno bipolar, dos transtornos tipo obsessivo e o transtorno do estresse pós-traumático Melhora dos sintomas da SOP
Melhora na demência ou doença de Alzheimer em idosos Melhora das complicações da diabetes (problemas nos rins, vista e nervos) Ajuda nos tratamentos de fertilidade
Controle dos efeitos colaterais da terapia eletroconvulsiva (tratamento avançado de problemas psiquiátricos) Tratamento de gota (excesso de ácido úrico) Alívio na síndrome pré-menstrual e no transtorno de pânico
Tratamento do transtorno por Déficit de Atenção e Hiperatividade Redução do colesterol Melhora da fertilidade masculina
Melhora dos sintomas do Transtorno do Espectro Autista Alívio da insônia Controle da síndrome metabólica na menopausa

*Sempre com supervisão médica (15).

Critérios de compra

Os suplementos de inositol podem ser receitados por um profissional da saúde ou podem ser adquiridos na farmácia ou online (de preferência, depois da recomendação médica). Se você está pensando em comprar o seu inositol, não deixe de conferir os seguintes critérios de compra. Vão te ajudar a fazer a melhor escolha.

Alérgenos

Normalmente, os suplementos de inositol não causam reações alérgicas. No entanto, em algumas ocasiões, é possível ter alguma reação ruim a um produto com inositol. Recomendamos que você cuide da sua saúde aplicando as seguintes dicas (16):

  • Se você tem alergia ou intolerância à soja, frutos do mar, lactose, oleaginosas ou qualquer outro ingrediente, examine cuidadosamente o rótulo do produto com inositol antes de comprar. Dê preferência aos produtos com selos oficiais.
  • Se você é celíaco (sofre de uma doença autoimune que se manifesta ao consumir produtos com glúten), utilize apenas produtos certificados.
  • Se, durante o consumo do suplemento de inositol, surgirem erupções cutâneas, inchaço no lábio ou língua, dificuldade de respirar, vômito intenso ou diminuição intensa na pressão arterial, suspenda o consumo imediatamente e procure um médico.
consulta médica

Consulte seu médico se você quer usar suplementos de inositol. (Fonte: Korzh: 41502919 / 123rf.com)

Dietas veganas e vegetarianas

Normalmente, os produtos com inositol são aptos para vegetarianos e veganos. Muitas vezes, esta molécula é extraída de produtos vegetais (como o arroz ou frutas).

Porém, lembre-se que as cápsulas do suplemento e os excipientes podem conter ingredientes de origem animal, como a gelatina bovina ou suína.

Os produtos aptos para veganos e vegetarianos devem ser corretamente certificados e incluir um “selo de qualidade vegana”. Verifique antes de comprar!

Ácido fólico, colina e outros compostos

Você sabia que em muitas ocasiões o inositol é combinado com outros produtos? Na seguinte lista, você pode encontrar o porque destas combinações:

  • Ácido fólico: esta combinação é encontrada em muitos produtos para favorecer a fertilidade feminina. O ácido fólico é uma vitamina essencial para o crescimento do feto, por isso é muito importante para as futuras mamães evitar sua carência (17).
  • Colina: a colina é um nutriente importante para o cérebro que faz parte das membranas celulares, dando estabilidade. A combinação da colina com inositol é comercializada como um nootrópico (suplemento para melhorar a capacidade intelectual) ou como um produto que melhora a saúde do fígado. Mas estes fatos ainda não foram confirmados por estudos de qualidade (18).
  • Cromo: este mineral é essencial para o metabolismo de gorduras, proteínas e açúcares no corpo humano. Sua ingestão geralmente não causa efeitos colaterais graves, por isso geralmente é adicionado aos produtos com inositol para favorecer a perda de peso. Cuidado com suas interações medicamentosas (antiácidos, anti-inflamatórios, insulina, entre outros) (19).
  • Vitaminas do complexo B: muitas vezes, essas vitaminas essenciais são adicionadas ao suplementos com inositol para evitar ou resolver qualquer carência nutricional. Lembre-se que o excesso destas vitaminas (principalmente B6 e B3) pode acarretar em alguns efeitos colaterais, como cãibras ou problemas de sensibilidade nas mãos (20).

Forma de apresentação

Os suplementos de inositol em pó permitem modular a dose adequada para você, enquanto as cápsulas de inositol vão te ajudar a consumir a quantidade exata deste produto todos os dias.

Também existe um novo formato de inositol em “cápsulas de gel”, que consegue melhorar a atividade desta molécula com cerca da metade da dose. Porém, este produto é muito mais difícil de encontrar no mercado online e farmácias.

Dr. Claudio ÁlvarezMédico especialista em reprodução humana

“Em algumas doenças, como a síndrome do ovário policístico, o uso de suplementos com inositol pode ser benéfico.”

Resumo

O inositol é o nome de uma gama de substâncias que fazem parte das células do corpo humano e contribuem para o funcionamento normal do organismo. Embora nosso corpo seja capaz de produzir inositol diariamente, uma dieta pobre em verduras, leguminosas e frutas pode provocar sua carência. As consequências a longo prazo deste déficit ainda são desconhecidas.

No mundo da suplementação, o mioinositol é a variante do inositol mais utilizada. Tem um grande potencial para aliviar os sintomas da síndrome do ovário policístico e para melhorar a fertilidade. Além disso, sua segurança e seu preço econômico o torna um suplemento muito interessante. Você já falou com seu médico sobre ele?

Se você conseguiu aprender mais sobre o inositol com este artigo, compartilhe em suas redes sociais!

(Fonte da imagem destacada: Troian: 125409987 / 123rf.com)

Referências (20)

1. Bevilacqua A, Bizzarri M. Inositols in insulin signaling and glucose metabolism .Vol. 2018, International Journal of Endocrinology. Hindawi Limited; 2018 .
Fonte

2. Dinicola S, Minini M, Unfer V, Verna R, Cucina A, Bizzarri M. Nutritional and acquired deficiencies in inositol bioavailability.Correlations with metabolic disorders . Vol. 18, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2017 .
Fonte

3. Harwood AJ. Lithium and bipolar mood disorder: The inositol-depletion hypothesis revisited.Vol. 10, Molecular Psychiatry. Nature Publishing Group; 2005 . p. 117–26.
Fonte

4. Kalra B, Kalra S, Sharma JB. The inositols and polycystic ovary syndrome. Indian J Endocrinol Metab . 2016 Sep 1 ;20(5):720–4.
Fonte

5. Clements RS, Darnell B. Myo-inositol content of common foods: development of a high-myo-inositol diet. Am J Clin Nutr . 1980 Sep 1 ;33(9):1954–67.
Fonte

6. PI3K Pathway, Lung Cancer Risk, Myo Inositol Deficiency and Gut Dysbiosis | Karen Kurtak, L.Ac., Dipl. Ac.
Fonte

7. SEGO. Sindrome de ovario poliquistico.
Fonte

8. Saleem F, Rizvi SW. New Therapeutic Approaches in Obesity and Metabolic Syndrome Associated with Polycystic Ovary Syndrome. Cureus. 2017 Nov 13 ;9(11).
Fonte

9. Lisi F, Carfagna P, Oliva MM, Rago R, Lisi R, Poverini R, et al. Pretreatment with myo-inositol in non polycystic ovary syndrome patients undergoing multiple follicular stimulation for IVF: A pilot study. Reprod Biol Endocrinol. 2012 Jul 23 ;10(1):52.
Fonte

10. Condorelli RA, La Vignera S, Mongioì LM, Vitale SG, Laganà AS, Cimino L, et al. Myo-inositol as a male fertility molecule: Speed them up!. Vol. 21, European Review for Medical and Pharmacological Sciences. 2017 . p. 30–5.
Fonte

11. Montanino Oliva M, Minutolo E, Lippa A, Iaconianni P, Vaiarelli A. Effect of Myoinositol and Antioxidants on Sperm Quality in Men with Metabolic Syndrome. Int J Endocrinol.2016 ;2016 .
Fonte

12. Giordano D, Corrado F, Santamaria A, Quattrone S, Pintaudi B, Di Benedetto A, et al. Effects of myo-inositol supplementation in postmenopausal women with metabolic syndrome: A perspective, randomized, placebo-controlled study. Menopause. 2011 Jan ;18(1):102–4.
Fonte

13. Inositol | Mental Health America.
Fonte

14. Mukai T, Kishi T, Matsuda Y, Iwata N. A meta-analysis of inositol for depression and anxiety disorders. Hum Psychopharmacol . 2014 Jan;29(1):55–63.
Fonte

15. Therapeutic Research Faculty. Inositol: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning. Natural Medicine Comprehensive Database. 2018.
Fonte

16. Inositol Side Effects: Common, Severe, Long Term – Drugs.com
Fonte

17. Regidor PA, Schindler AE, Lesoine B, Druckman R. Management of women with PCOS using myo-inositol and folic acid. New clinical data and review of the literature. Horm Mol Biol Clin Investig . 2018 Mar 2 ;34(2).
Fonte

18. Kenney JL, Carlberg KA. The effect of choline and myo-inositol on liver and carcass fat levels in aerobically trained rats. Int J Sports Med . 1995 ;16(2):114–6.
Fonte

19. Dietary Supplement Fact Sheet: Chromium – Health Professional Fact Sheet.
Fonte

20. Chawla J, Kvarnberg D. Hydrosoluble vitamins. In: Handbook of Clinical Neurology. Elsevier B.V.; 2014. p. 891–914.
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Anabel Rodríguez Formada em Medicina
Formada em Medicina, tem como missão utilizar o método científico para encontrar novas formas de potencializar o rendimento esportivo e intelectual das pessoas. Quer conversar com as pessoas que desejam se informar sobre suplementação com base em evidências. Seus suplementos favoritos são a L-teanina e as vitaminas do grupo B.
Redatora do Saudável&Forte, Luiza pesquisa com muito cuidado e auxiliar na redação e edição de artigos relevantes que envolvem um dos temas que mais lhe interessam: o universo da suplementação.
Artigo científico
Bevilacqua A, Bizzarri M. Inositols in insulin signaling and glucose metabolism .Vol. 2018, International Journal of Endocrinology. Hindawi Limited; 2018 .
Ir para a fonte
Artigo científico
Dinicola S, Minini M, Unfer V, Verna R, Cucina A, Bizzarri M. Nutritional and acquired deficiencies in inositol bioavailability.Correlations with metabolic disorders . Vol. 18, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2017 .
Ir para a fonte
Artigo científico
Harwood AJ. Lithium and bipolar mood disorder: The inositol-depletion hypothesis revisited.Vol. 10, Molecular Psychiatry. Nature Publishing Group; 2005 . p. 117–26.
Ir para a fonte
Artigo científico
Kalra B, Kalra S, Sharma JB. The inositols and polycystic ovary syndrome. Indian J Endocrinol Metab . 2016 Sep 1 ;20(5):720–4.
Ir para a fonte
Artigo científico
Clements RS, Darnell B. Myo-inositol content of common foods: development of a high-myo-inositol diet. Am J Clin Nutr . 1980 Sep 1 ;33(9):1954–67.
Ir para a fonte
Artigo científico
PI3K Pathway, Lung Cancer Risk, Myo Inositol Deficiency and Gut Dysbiosis | Karen Kurtak, L.Ac., Dipl. Ac.
Ir para a fonte
Documento oficial
SEGO. Sindrome de ovario poliquistico.
Ir para a fonte
Artigo científico
Saleem F, Rizvi SW. New Therapeutic Approaches in Obesity and Metabolic Syndrome Associated with Polycystic Ovary Syndrome. Cureus. 2017 Nov 13 ;9(11).
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Lisi F, Carfagna P, Oliva MM, Rago R, Lisi R, Poverini R, et al. Pretreatment with myo-inositol in non polycystic ovary syndrome patients undergoing multiple follicular stimulation for IVF: A pilot study. Reprod Biol Endocrinol. 2012 Jul 23 ;10(1):52.
Ir para a fonte
Artigo científico
Condorelli RA, La Vignera S, Mongioì LM, Vitale SG, Laganà AS, Cimino L, et al. Myo-inositol as a male fertility molecule: Speed them up!. Vol. 21, European Review for Medical and Pharmacological Sciences. 2017 . p. 30–5.
Ir para a fonte
Artigo científico
Montanino Oliva M, Minutolo E, Lippa A, Iaconianni P, Vaiarelli A. Effect of Myoinositol and Antioxidants on Sperm Quality in Men with Metabolic Syndrome. Int J Endocrinol.2016 ;2016 .
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Giordano D, Corrado F, Santamaria A, Quattrone S, Pintaudi B, Di Benedetto A, et al. Effects of myo-inositol supplementation in postmenopausal women with metabolic syndrome: A perspective, randomized, placebo-controlled study. Menopause. 2011 Jan ;18(1):102–4.
Ir para a fonte
Site oficial
Inositol | Mental Health America.
Ir para a fonte
Meta análise
Mukai T, Kishi T, Matsuda Y, Iwata N. A meta-analysis of inositol for depression and anxiety disorders. Hum Psychopharmacol . 2014 Jan;29(1):55–63.
Ir para a fonte
Site oficial
Therapeutic Research Faculty. Inositol: Uses, Side Effects, Interactions, Dosage, and Warning. Natural Medicine Comprehensive Database. 2018.
Ir para a fonte
Site oficial
Inositol Side Effects: Common, Severe, Long Term – Drugs.com
Ir para a fonte
Artigo científico
Regidor PA, Schindler AE, Lesoine B, Druckman R. Management of women with PCOS using myo-inositol and folic acid. New clinical data and review of the literature. Horm Mol Biol Clin Investig . 2018 Mar 2 ;34(2).
Ir para a fonte
Estudo em animais
Kenney JL, Carlberg KA. The effect of choline and myo-inositol on liver and carcass fat levels in aerobically trained rats. Int J Sports Med . 1995 ;16(2):114–6.
Ir para a fonte
Site oficial
Dietary Supplement Fact Sheet: Chromium – Health Professional Fact Sheet.
Ir para a fonte
Livro online
Chawla J, Kvarnberg D. Hydrosoluble vitamins. In: Handbook of Clinical Neurology. Elsevier B.V.; 2014. p. 891–914.
Ir para a fonte