médico com gráfico de medula
Ultima atualização: 28 de julho de 2020

Como escolhemos

23Produtos analisados

35Horas investidas

28Estudos avaliados

87Comentários coletados

Certamente você já sabe sobre a importância da vitamina D para o organismo. Este nutriente favorece a saúde óssea, contribui para o funcionamento do coração, entre tantos outros benefícios. Porém, como reconhecer os sintomas da falta de vitamina D em nosso dia a dia? E o que essa deficiência pode ocasionar no organismo?

O que se sabe é que a carência de vitamina D não costuma produzir manifestações concretas em um primeiro momento. Por isso, quando não diagnosticada, ela pode trazer prejuízos ao bem estar, debilitando a saúde de forma geral. Pensando em evitar esses transtornos, deixaremos neste artigo as chaves para detectar este déficit nutricional e os caminhos para recuperar os níveis de vitamina D no organismo. Fique conosco!

O mais importante

  • A falta de vitamina D não costuma produzir sintomas evidentes e pode dar lugar a condições pouco específicas como fatiga e dores. Se a carência não for suprida, pode debilitar a saúde dos ossos, aumentando a propensão a fraturas, além de enfermidades no coração, cérebro e no metabolismo de maneira geral.
  • Para evitar que apareçam os sintomas da falta de vitamina D, a exposição solar é uma grande aliada. No entanto, isso deve ser feito de forma prudente, com proteção solar e combinada com alimentos ricos em vitamina D ou suplementação.
  • Ao optar pelo suplemento, é essencial considerar aspectos como fatores alérgenos, alternativas para dietas veganas, a dosagem ideal e a forma de administração. Mais a frente, falaremos em detalhes sobre estes critérios.

Suplementos para manter sob controle os sintomas da falta de vitamina D

Quando se fala em suplementos para melhorar as suas condições de saúde, todo cuidado é pouco. Por este motivo, é importante estar atento na hora da compra. Para facilitar sua busca, selecionamos alguns dos suplementos mais utilizados para combater os sintomas da falta de vitamina D. Veja quais são:

A vitamina D em cápsulas softgel

O suplemento alimentar da Now oferece todos os benefícios da vitamina D em cápsulas softgel de alta absorção. Para pessoas que não conseguem tomar sol com frequência ou não podem se expor, esta é a melhor alternativa de consumo da vitamina D.

Com garantia de qualidade pelas boas práticas de fabricação atuais, o produto é totalmente vegetal e livre de alérgenos. Por isso, pode ser usado por veganos e pessoas com restrições alimentares.

O suplemento em doses líquidas

Para quem procura por um suplemento de rápida absorção ou não gosta de ingerir cápsulas, esta é a melhor alternativa. Na forma líquida, ele contém 4.8000 UI de vitamina D3 por gota.

Com fácil doseamento, o produto não tem adição edulcorantes e é produzido com colecalciferol importado, na sua forma ativa. Usado regularmente, o suplemento garante os níveis saudáveis de vitamina D no organismo.

Vitamina D2 para veganos

As pessoas com alimentação vegana podem ter mais dificuldade para fazer as suplementação de alguns nutrientes, pois muitos produtos podem ter compostos de origem animal na formulação.

Este suplemento, no entanto, é totalmente vegano. Sua principal diferença é a fonte de extração, que é 100% vegetal, a partir de fungos e plantas. Assim, a vitamina D2 é considerada segura para a dieta vegana.

Tudo sobre os sintomas da falta de vitamina D

A carência de vitamina D pode ser assintomática ou vir acompanhada por um leque de sintomas como dor de cabeça e nas articulações, fatiga e lentidão, além de depressão e dificuldade para perder peso. Nesta seção, vamos falar detalhadamente os sintomas da falta de vitamina D e mostrar como você pode combatê-los de forma natural e saudável.

homem com dor de cabeça

A dor de cabeça constante pode estar relacionada à falta da vitamina D. (Fonte: Davydov: 102285109/ 123rf.com)

Por que a falta de vitamina D causa tanta preocupação?

A vitamina D é uma substância essencial para o bom funcionamento do organismo. Esta molécula permite que os ossos se mantenham fortes, que o sistema imunológico esteja sempre em alerta e o metabolismo funcionando perfeitamente. A deficiência desta vitamina, portanto, pode colocar a saúde geral em risco.

Contar com baixos níveis de vitamina D pode aumentar a vulnerabilidade a quedas e fraturas. Além disso, acredita-se que este déficit aumenta o risco de sofrer com doenças graves como diabetes e tumores. Outro ponto de atenção é o aumento da depressão, da tristeza e da irritabilidade.

Certos medicamentos (como os corticoides), as dietas pobres em nutrientes, a baixa exposição ao sol e outros distúrbios como a obesidade podem favorecer a deficiência de vitamina D.

Infelizmente, essa é uma condição que afeta atualmente milhares de pessoas em todo o país e tem se tronado uma questão de saúde pública (1, 2, 3).

médica com pílula de vitamina d

Consulte um médico antes de utilizar suplementos de vitamina D para definir a dosagem adequada. (Fonte: Martin: 42512212/ 123rf.com)

Quais os principais sintomas da falta de vitamina D?

Na maioria dos casos, a insuficiência de vitamina D é assintomática. Porém, a falta de sintomas não significa que a carência seja mais ou menos grave do que quando acompanhada por qualquer manifestação (4). Em algumas ocasiões, ela vem acompanhada por episódios de dores de cabeça, câimbras e fatiga.

A verdade é que, quanto mais tempo o organismo se mantém com baixos níveis de vitamina D, maior será a probabilidade de surgirem os sintomas clássicos. Os principais afetados são os ossos mas todo o corpo pode sofrer as consequências da hipovitaminose D, como falta de energia e queda na imunidade.

Quedas e fraturas: Por que a falta de vitamina D afeta os ossos?

A vitamina D é essencial para manter o equilíbrio de cálcio e fósforo no corpo. Esses dois minerais são armazenados nos ossos para torná-los mais duros e mais resistentes a fraturas. Como você pode imaginar, a falta de vitamina D impedirá que o processo de “mineralização” dos ossos ocorra corretamente.

A osteomalácia e a osteoporose são enfermidades que podem aparecer como consequência da falta de vitamina D. Em ambas situações, os ossos ficam debilitados. Os sintomas destas condições são, principalmente, a dor nos ossos, doenças nas articulações e maior predisposição a fraturas (5, 6).

A fratura na bacia é uma consequência muito perigosa e temida por quem sofre com a osteoporose ou a osteomalácia decorrentes da falta de vitamina D (6, 7). Nas pessoas mais velhas, este tipo de lesão reduz de forma drástica a mobilidade e pode piorar a qualidade de vida.

Nas crianças, a carência de de vitamina D pode provocar raquitismo (1, 8), uma enfermidade que prejudica o crescimento dos ossos. Além disso, ela pode ter como sintomas o aparecimento de deformidades no esqueleto, maior tendência a fraturas, dores ósseas e musculares.

foco

Na osteoporose, os ossos se tonam mais porosos e finos. Na osteomalácia, os ossos conservam a estrutura mas ficam mais frágeis, ao não receber os minerais necessários.

Fatiga: Um sintoma da falta de vitamina D?

Muitas pessoas não associam a fatiga a carências nutricionais. No entanto, um estudo norte-americano observou que até 77 % dos pacientes que se queixavam de cansaço constante sofria de falta de vitamina D (9).

Impressionante, não é mesmo? Como a fatiga pode ser gerada por diversas situações, desde o estresse diário até outras enfermidades, é muito pouco comum que as pessoas a relacionem a falta de energia à carência de vitamina D.

Assim, se você se sente constantemente fatigado, apesar dos hábitos saudáveis que mantém, é importante avaliar seus níveis de vitamina D. Para tanto, consulte um especialista que recomendará exames e um tratamento de suplementação.

O mesmo estudo americano mostrou que, quando usados os suplementos adequados, com supervisão médica, é percebida uma notável — e quase imediata — melhora neste sintoma (9). Por isso, se o cansaço tem sido visita constante, procure um médico para se livrar deste incômodo!

Defesas baixas e doenças auto-imunes: A falta de vitamina D pode adoecer?

A defesas do organismo podem ser influenciadas pelo alto nível de estresse, pela dieta, pela falta de atividades físicas e até mesmo pela poluição. Isso quer dizer que o sistema imunológico está em constante ameaça. Quando falta a vitamina D, então, aumenta a predisposição em sofrer infecções e outras enfermidades.

A vitamina D atua como um hormônio no sistema imune (10), contribuindo para regular as atividades de nossas defesas para que estejam sempre prontas para lutar contra vírus, bactérias e outros agentes patógenos. Assim, a carência desta vitamina pode deixar o corpo desprotegido, levando a infecções de repetição, com sintomas mais graves.

Além disso, o déficit de vitamina D pode explicar os fenômenos das doenças autoimunes (10). Nestas enfermidades,  as defesas se “descontrolam” e passam a atacar os próprios tecidos. Recentemente, estudos demostraram a relação entre a falta de vitamina D e o surgimento de condições como a esclerose múltipla e a síndrome do intestino irritável, entre outras.

consulta médica para artrite

A falta de vitamina D pode provocar dores e fraqueza óssea. (Fonte: Belchonock: 97865287/ 123rf.com)

Depressão: A falta de vitamina D pode afetar o estado de ânimo?

Parece impossível que uma vitamina possa afetar o seu estado de ânimo, não é mesmo? Mas isso ocorre porque, de acordo com especialistas, os neurônios dependem da vitamina D para funcionar corretamente. Desta forma, a falta desta vitamina eleva a probabilidade de sofrer depressão e outros transtornos emocionais (11).

Mas atenção! Esta descoberta não significa que você pode usar um suplemento de vitamina D para combater a tristeza e muito menos a depressão. De fato, corrigir a deficiência pode ajudar a melhorar os sintomas, porém é preciso que haja acompanhamento profissional especializado para detectar outras possíveis causas e tratá-las corretamente.

Queda de cabelo e dificuldade de cicatrização: A falta de vitamina D afeta a pele e o cabelo?

Sim, pessoas que sofrem carência de vitamina D podem ter, entre os sintomas, seu aspecto físico afetado. isso ocorre por que esta vitamina está relacionada ao crescimento das células da pele, ajudando na recuperação de impactos, cortes, queimaduras e outras lesões. Assim, a falta de vitamina D prejudica, sim, a saúde da pele (12).

Como se não bastasse, os baixos níveis de vitamina D podem estar relacionados à queda de cabelos. Um estudo recente constatou que os folículos capilares  — “a raiz do cabelo” — também usam esta vitamina. Por isso, alguns cientistas acreditam que a carência pode colocar em risco a saúde e a beleza dos cabelos (13).

homem escolhendo legumes

A vitamina D2 dos alimentos aptos para veganos tem absorção menor do que a forma animal (vitamina D3).
(Fonte: Kachmar: 124401467/ 123rf.com)

A falta de vitamina D e as enfermidades graves

A falta de vitamina D também foi relacionada a aparição de doenças graves. Os problemas cardiovasculares, a diabetes, a dificuldade para perder peso, a perda de memória e, inclusive, o surgimento de tumores podem, de acordo com especialistas, ser mais frequentes em pessoas com déficit de vitamina D (14, 15, 16, 17, 18).

É muito importante ter consciência de que todas essas doenças causam transtornos irreparáveis ao seu organismos e a seu bem estar. Para reduzir a possibilidade de aparição destes quadros, é fundamental manter um estilo de vida saudável, com alimentação equilibrada, exercícios físicos e visitas regulares ao médico.

De maneira geral, ainda é cedo para dizer que os níveis saudáveis de vitamina D podem deixá-lo mais resistentes à ocorrências como estas. Isso porque os estudos ainda estão em fase inicial em todo o mundo. Por isso, recomendamos que mantenha-se saudável, procurando ajuda médica para repor possíveis carências.

Como evitar o surgimento dos sintomas da falta de vitamina D?

O primeiro passo para ficar longe dos sintomas é manter os niveles normais desta vitamina no sangre (entre 30 e 75 nanogramas por mililitro). Para conseguir, com sucesso, esta quantidade da substância, você pode tomar sol, consumir alimentos ricos em vitamina D e fazer suplementação da molécula (19).

A vitamina do sol (20): Sabia que o seu corpo é capaz de produzir vitamina D? Ao expor a pele ao sol, o organismo consegue utilizar a radiação ultravioleta para sintetizar a molécula. O melhor é que, de acordo com especialistas, apenas 15 ou 20 minutos ao sol todos os dias serão necessários para sintetizar a quantidade ideal de vitamina D.

  • Benefícios: É uma forma barata e acessível para manter sob controle os níveis da substância no organismo. Além disso, com este método é impossível sofrer superdosagem (algo que pode ocorrer em suplementações feitas sem acompanhamento profissional);
  • Inconvenientes: As pessoas de pele mais escura e os idosos podem ter mais dificuldade para processar a vitamina D quando expostas ao sol. Nos países de clima frio ou em locais com poucas horas de luz solar por dia, fica mais difícil obter a vitamina por este método;
  • Incógnitas: O protetor solar diminui a síntese de vitamina D? Atualmente, esta hipótese se encontra em estudo. Enquanto não se tem uma resposta concreta, a recomendação é para que se use protetor solar diariamente, para evitar o surgimento de outras enfermidades, como o câncer de pele (21).

Alimentos ricos em vitamina D: Infelizmente,  a vitamina D não é encontrada em abundância na natureza. Ela está presente em alguns peixes e em produtos artificialmente enriquecidos, como o leite. Os veganos, portanto, quase não tem onde buscar esse nutriente, com exceção de alguns fungos e produtos enriquecidos com D2, a vitamina D de origem vegetal (22, 23).

Alimento (100 gramas o 100 mililitros) Conteúdo de vitamina  D (UI)
Óleo de fígado de bacalhau 10000
Salmão 760
Sardinhas 480
Leite desnatado enriquecido 332
Ovo (com gema) 107
Atum 82
Suco enriquecido 60
Leite de soja enriquecido 50
Bebida de arroz fortificada 40
Cogumelos “shiitake” 25

Fonte: Base de dados USDA (24)

  • Benefícios: Podem ser incorporados a uma dieta equilibrada. Pela baixa concentração, será difícil sofrer uma sobredose do nutriente por meio da alimentação;
  • Inconvenientes: Algumas pessoas podem ser alérgicas ou intolerantes a produtos ricos em vitamina D.Os alimentos aptos para veganos, que contêm vitamina D2, promovem baixa absorção do nutriente;
  • Incógnitas: A recomendação da OMS é que os adultos saudáveis consumam 15 microgramas ou 600 Unidades Internacionais (UI) de vitamina D por dia. As pessoas com mais de 60 anos deveriam aumentar essa quantidade para 20 microgramas ou 800 UI. No entanto, é sempre bom lembrar que as necessidades podem variar de pessoa para pessoa e devem ser estipuladas pelo médico.

Suplementos: O uso de suplementos permite elevar os níveis de vitamina D de forma efetiva. Existem produts com vitamina D3  e outros com vitamina D2 (vegan-friendly). Estes últimos, no entanto, têm uma potência mais reduzida.

  • Benefícios: pode ser útil para pessoas que não podem se expor ao sol ou consumir alimentos que sejam fontes de vitamina D. Também pode ajudar os indivíduos que têm problemas para absorver a vitamina D ou para processá-la, mesmo com a exposição solar, como é o caso dos idosos;
  • Inconvenientes: Se não for utilizado com cautela, o suplemento de vitamina D pode provocar intoxicação e, assim, colocar a vida do paciente em perigo. Quando se consome altas doses da molécula (acima de 4000 UI) durante meses o anos, os níveis de cálcio podem ficar muito elevados, causando danos ao coração e aos rins (25).
  • Incógnitas: Qual a dose recomendada para a suplementação correta de vitamina D? O consumo entre entre 400 e 2000 UI/dia pode ser considerado seguro para adultos, com histórico saudável. No entanto, como já explicamos neste artigo, o ideal é passar por uma avaliação médica, para ter atendimento e prescrição ideais para o seu caso (2, 18, 26).

Mulheres grávidas ou amamentando, assim como crianças e pessoas em tratamento de enfermidades graves não devem fazer suplementação sem aconselhamento médico.

O que fazer diante dos sintomas de falta de vitamina D?

A primeira coisa é visitar o seu médico de confiança. Um simples exame de sangue é capaz de revelar se os sintomas realmente estão ligados a uma deficiência de vitamina D ou se dizem respeito a qualquer outra condição. Esta informação permitirá ao seu médico tratá-lo com muito mais eficiência (28).

Se procurar tratamento adequado, você vai não apenas aliviar os sintomas da falta de vitamina D mas também  evitar consequências mais graves, como fraturas. O seu médico vai decidir qual dose de vitamina D e qual é o tempo de suplementação mais adequado para o seu caso.

garota na praia aproveitando o sol

Ao tomar sol para aumentar os níveis de vitamina D, lembre-se de usar protetor solar. (Fonte: Rido: 121442129/ 123rf.com)

Suplementos de vitamina D: Critérios de compra

Depois de avaliar, juntamento com seu médico, qual a forma ideal de suplementação, é hora de comprar o produto adequado. Para ter certeza de que está fazendo a melhor escolha, você pode avaliar alguns critérios de compra que podem ser cruciais para definir o suplemento que vão ajudá-lo contra os sintomas da falta de vitamina D, de uma vez por todas.

Alérgenos

Muitos suplementos de vitamina D usam óleo de fígado de bacalhau ou outros peixes como matéria-prima. Se você é alérgico a frutos do mar, verifique com cautela a presença deste componente na fórmula do produto. Estas informações costumam ser facilmente encontradas no rótulo do produto.

Lembre-se, também, de que os itens de vitamina D podem conter lactose, soja, nozes, glúten ou outros alérgenos. Se você é intolerante a um ingrediente específico e não tem certeza se o seu suplemento o contém, não hesite em entrar em contato com o vendedor ou o fabricante para se certificar.

mãe e filha, alimentação saudável

O leite desnato enriquecido é um dos alimentos com muita vitamina D. (Fonte: Guzhva: 39458296/ 123rf.com)

Opções veganas

Até muito pouco tempo, era muito difícil encontrar suplementos de vitamina D eficazes e aptos para as dietas veganas. Apesar de ter baixa absorção, a vitamina D2, à base de plantas, é uma opção valiosa para os veganos. O médico pode fazer a adequação da dose para que o consumo seja eficaz.

Os suplementos mais eficazes são os que contêm vitamina D3. Geralmente, essa molécula é obtida a partir de peixe ou lanolina (uma substância gordurosa da lã). Por isso, não é um produto indicado para veganos. Felizmente, nos últimos anos, conseguiu-se desenvolver uma versão da vitamina D3 a partir do líquen (29). Uma opção potente e vegan-friendly!

Dose e “megadose”

É quase infinita a combinação de componentes e dosagens que se pode encontrar nos suplementos de vitamina D. No entanto, é importante ter em mente que o “mais” nem sempre é o “melhor”. Tomar mais de 4000 UI por dia vai trazer uma grande possibilidade de intoxicação ou hipervitaminose (26).

Por isso, mais uma vez destacamos a importância de consultar um profissional especializado antes de definir a dosagem a ser consumida. As chamadas megadoses são indicadas apenas em casos extremamente graves, e aplicadas apenas por médicos.

Forma de administração

A maioria dos suplementos de vitamina D de venda ao público são apresentados em formato sólido (em cápsulas ou comprimidos) ou na composição líquida (gotas ou spray). Esta última forma tem se tornado muito popular nos últimos anos pela praticidade no transporte e no uso.

Também existe a vitamina D no formato injetável. No entanto, estas são as verdadeiras superdoses (entre 100 mil e 200 mil UI) e não são comercializadas para o público em geral. Essas doses são aplicadas em casos extremos, geralmente com o paciente internado.

Resumo

Não é fácil relacionar, de imediato, os sintomas da falta de vitamina D com a carência em si. Isso porque as manifestações, quando existem podem ser comuns a outras doenças. O perigo é não diagnosticar a tempo o déficit nutricional e acabar sujeito a outras enfermidades mais graves decorrentes desta insuficiência.

Por este motivo, fizemos questão de detalhar os principias sintomas que podem ser indicativo da falta desta vitamina no seu organismo. Mostramos como pode ser possível obter os níveis saudáveis da substância e o que fazer caso perceba algum — ou alguns — dos sintomas. Deixamos claro, mais uma vez, a importância de consultar um médico para traçar a melhor estratégia de reposição da vitamina e alguns conselhos para a hora da compra do seu suplemento.

Se este artigo ajudou a entender melhor os sintomas da falta de vitamina D, por favor, compartilhe este material e deixe-nos um comentário. É sempre bom saber sua opinião! Um abraço e até mais!

(Fonte da imagem destacada: Natalimis: 122305832/ 123rf.com)

Referências (28)

1. McKenna MJ, Murray B. Vitamin D deficiency. In: Endocrinology and Diabetes: A Problem-Oriented Approach [Internet]. New York, NY: Springer New York; 2014 p. 293–304.
Fonte

2. Varsavsky M, Rozas Moreno P, Becerra Fernández A, Luque Fernández I, Quesada Gómez JM, Ávila Rubio V, et al. Recomendaciones de vitamina D para la población general. Endocrinol Diabetes y Nutr [Internet]. 2017 Mar 1 ;64:7–14.
Fonte

3. Vranić L, Mikolašević I, Milić S. Vitamin D deficiency: Consequence or cause of obesity? [Internet]. Vol. 55, Medicina (Lithuania). MDPI AG; 2019 p. 541.
Fonte

4. Clinic Cleveland. Vitamin D Deficiency: Symptoms & Treatment [Internet]. 2020 .
Fonte

5. National Osteoporosis Society Vitamin D Guideline Summary | Age and Ageing | Oxford Academic [Internet].
Fonte

6. Hill TR, Aspray TJ. The role of vitamin D in maintaining bone health in older people [Internet]. Vol. 9, Therapeutic Advances in Musculoskeletal Disease. SAGE Publications Ltd; 2017 . p. 89–95.
Fonte

7. Sunyecz JA. The use of calcium and vitamin D in the management of osteoporosis [Internet]. Vol. 4, Therapeutics and Clinical Risk Management. Dove Press; 2008 . p. 827–36.
Fonte

8. de la Calle Cabrera T. Raquitismo carencial. Raquitismos resistentes. Pediatr Integr [Internet]. 2015 ;19(7):477–87.
Fonte

9. Roy S, Sherman A, Monari-Sparks MJ, Schweiker O, Hunter K. Correction of low vitamin D improves fatigue: Effect of correction of low vitamin D in fatigue study (EViDiF study). N Am J Med Sci [Internet]. 2014 ;6(8):396–402.
Fonte

10. Prietl B, Treiber G, Pieber TR, Amrein K. Vitamin D and immune function [Internet]. Vol. 5, Nutrients. MDPI AG; 2013 . p. 2502–21.
Fonte

11. Spedding S. Vitamin D and depression: A systematic review and meta-analysis comparing studies with and without biological flaws [Internet]. Vol. 6, Nutrients. MDPI AG; 2014 . p. 1501–18.
Fonte

12. Mostafa WZ, Hegazy RA. Vitamin D and the skin: Focus on a complex relationship: A review [Internet]. Vol. 6, Journal of Advanced Research. Elsevier; 2013 . p. 793–804.
Fonte

13. Gerkowicz A, Chyl-Surdacka K, Krasowska D, Chodorowska G. The role of vitamin D in non-scarring alopecia [Internet]. Vol. 18, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2017 .
Fonte

14. Elamin MB, Abu Elnour NO, Elamin KB, Fatourechi MM, Alkatib AA, Almandoz JP, et al. Vitamin D and cardiovascular outcomes: A systematic review and meta-analysis [Internet]. Vol. 96, Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. 2011 . p. 1931–42.
Fonte

15. Kuma E, Soni M, Littlejohns TJ, Ranson JM, Van Schoor NM, Deeg DJH, et al. Vitamin D and Memory Decline: Two Population-Based Prospective Studies. Grant W, editor. J Alzheimer’s Dis [Internet]. 2016 Feb 22 ;50(4):1099–108.
Fonte

16. Dovnik A, Mujezinović F. The Association of Vitamin D Levels with Common Pregnancy Complications. Nutrients [Internet]. 2018 Jul 5 ;10(7):867.
Fonte

17. Judd SE, Tangpricha V. Vitamin D Deficiency and Risk for Cardiovascular Disease. Am J Med Sci [Internet]. 2009 Jul ;338(1):40–4.
Fonte

18. Gorham ED, Garland CF, Garland FC, Grant WB, Mohr SB, Lipkin M, et al. Optimal Vitamin D Status for Colorectal Cancer Prevention. A Quantitative Meta Analysis. Am J Prev Med [Internet]. 2007 Mar ;32(3):210–6.
Fonte

19. Gómez de Tejada Romero M et al. Documento de posición sobre las necesidades y niveles óptimos de vitamina D - Revista de Osteoporosis y Metabolismo Mineral • Publicación Oficial SEIOMM. Rev Osteoporos Metab Min [Internet]. 2011 ;2(1):53–4.
Fonte

20. Aguilar Shea AL, Muñoz Moreno-Arrones O, Palacios Martínez D, Vaño-Galván S. Vitamin D for daily practice [Internet]. Semergen. Ediciones Doyma, S.L.; 2020 .
Fonte

21. Neale RE, Khan SR, Lucas RM, Waterhouse M, Whiteman DC, Olsen CM. The effect of sunscreen on vitamin D: a review [Internet]. Vol. 181, British Journal of Dermatology. Blackwell Publishing Ltd; 2019 p. 907–15.
Fonte

22. Nair R, Maseeh A. Vitamin D: The sunshine vitamin [Internet]. Vol. 3, Journal of Pharmacology and Pharmacotherapeutics. Wolters Kluwer -- Medknow Publications; 2012 . p. 118–26.
Fonte

23. Schmid A, Walther B. Natural Vitamin D Content in Animal Products. Adv Nutr [Internet]. 2013 Jul 1 ;4(4):453–62.
Fonte

24. Gold M V. National Agricultural Library [Internet]. United States Department OF Agriculture, Beltsville, EEUU. 2015 .
Fonte

25. Marcinowska-Suchowierska E, Kupisz-Urbańska M, Łukaszkiewicz J, Płudowski P, Jones G. Vitamin D Toxicity–A Clinical Perspective. Front Endocrinol (Lausanne) [Internet]. 2018 Sep 20 ;9(SEP).
Fonte

26. Bischoff-Ferrari HA, Giovannucci E, Willett WC, Dietrich T, Dawson-Hughes B. Estimation of optimal serum concentrations of 25-hydroxyvitamin D for multiple health outcomes [Internet]. Vol. 84, American Journal of Clinical Nutrition. 2006 p. 18–28.
Fonte

27. Torres del Pliego E, Nogués Solán X. ¿Cómo utilizar la vitamina D y qué dosis de suplementación sería la más idónea para tener el mejor balance eficacia/seguridad? Rev Osteoporos y Metab Miner [Internet]. 2014 Mar [cited 2020 Apr 18];6:1–4.
Fonte

28. House C, Street G. Vegan & Vegetarian Vitamin D3 Ingredients. 44(0):3–6.
Fonte

Por que você pode confiar em nós?

Anabel Rodríguez Formada em Medicina
Formada em Medicina, tem como missão utilizar o método científico para encontrar novas formas de potencializar o rendimento esportivo e intelectual das pessoas. Quer conversar com as pessoas que desejam se informar sobre suplementação com base em evidências. Seus suplementos favoritos são a L-teanina e as vitaminas do grupo B.
Redatora do Saudável&Forte, Vera pesquisa com muito cuidado e auxiliar na redação e edição de artigos relevantes que envolvem um dos temas que mais lhe interessam: o universo da suplementação.
Artigo científico
McKenna MJ, Murray B. Vitamin D deficiency. In: Endocrinology and Diabetes: A Problem-Oriented Approach [Internet]. New York, NY: Springer New York; 2014 p. 293–304.
Ir para a fonte
Revista médica
Varsavsky M, Rozas Moreno P, Becerra Fernández A, Luque Fernández I, Quesada Gómez JM, Ávila Rubio V, et al. Recomendaciones de vitamina D para la población general. Endocrinol Diabetes y Nutr [Internet]. 2017 Mar 1 ;64:7–14.
Ir para a fonte
Artigo científico
Vranić L, Mikolašević I, Milić S. Vitamin D deficiency: Consequence or cause of obesity? [Internet]. Vol. 55, Medicina (Lithuania). MDPI AG; 2019 p. 541.
Ir para a fonte
Site oficial
Clinic Cleveland. Vitamin D Deficiency: Symptoms & Treatment [Internet]. 2020 .
Ir para a fonte
Guia clínico
National Osteoporosis Society Vitamin D Guideline Summary | Age and Ageing | Oxford Academic [Internet].
Ir para a fonte
Artigo científico
Hill TR, Aspray TJ. The role of vitamin D in maintaining bone health in older people [Internet]. Vol. 9, Therapeutic Advances in Musculoskeletal Disease. SAGE Publications Ltd; 2017 . p. 89–95.
Ir para a fonte
Artigo científico
Sunyecz JA. The use of calcium and vitamin D in the management of osteoporosis [Internet]. Vol. 4, Therapeutics and Clinical Risk Management. Dove Press; 2008 . p. 827–36.
Ir para a fonte
Artigo científico
de la Calle Cabrera T. Raquitismo carencial. Raquitismos resistentes. Pediatr Integr [Internet]. 2015 ;19(7):477–87.
Ir para a fonte
Artigo científico
Roy S, Sherman A, Monari-Sparks MJ, Schweiker O, Hunter K. Correction of low vitamin D improves fatigue: Effect of correction of low vitamin D in fatigue study (EViDiF study). N Am J Med Sci [Internet]. 2014 ;6(8):396–402.
Ir para a fonte
Artigo científico
Prietl B, Treiber G, Pieber TR, Amrein K. Vitamin D and immune function [Internet]. Vol. 5, Nutrients. MDPI AG; 2013 . p. 2502–21.
Ir para a fonte
Revisão sistemática
Spedding S. Vitamin D and depression: A systematic review and meta-analysis comparing studies with and without biological flaws [Internet]. Vol. 6, Nutrients. MDPI AG; 2014 . p. 1501–18.
Ir para a fonte
Artigo científico
Mostafa WZ, Hegazy RA. Vitamin D and the skin: Focus on a complex relationship: A review [Internet]. Vol. 6, Journal of Advanced Research. Elsevier; 2013 . p. 793–804.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gerkowicz A, Chyl-Surdacka K, Krasowska D, Chodorowska G. The role of vitamin D in non-scarring alopecia [Internet]. Vol. 18, International Journal of Molecular Sciences. MDPI AG; 2017 .
Ir para a fonte
Revisão sistemática
Elamin MB, Abu Elnour NO, Elamin KB, Fatourechi MM, Alkatib AA, Almandoz JP, et al. Vitamin D and cardiovascular outcomes: A systematic review and meta-analysis [Internet]. Vol. 96, Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism. 2011 . p. 1931–42.
Ir para a fonte
Estudo em humanos
Kuma E, Soni M, Littlejohns TJ, Ranson JM, Van Schoor NM, Deeg DJH, et al. Vitamin D and Memory Decline: Two Population-Based Prospective Studies. Grant W, editor. J Alzheimer’s Dis [Internet]. 2016 Feb 22 ;50(4):1099–108.
Ir para a fonte
Artigo científico
Dovnik A, Mujezinović F. The Association of Vitamin D Levels with Common Pregnancy Complications. Nutrients [Internet]. 2018 Jul 5 ;10(7):867.
Ir para a fonte
Artigo científico
Judd SE, Tangpricha V. Vitamin D Deficiency and Risk for Cardiovascular Disease. Am J Med Sci [Internet]. 2009 Jul ;338(1):40–4.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gorham ED, Garland CF, Garland FC, Grant WB, Mohr SB, Lipkin M, et al. Optimal Vitamin D Status for Colorectal Cancer Prevention. A Quantitative Meta Analysis. Am J Prev Med [Internet]. 2007 Mar ;32(3):210–6.
Ir para a fonte
Documento oficial
Gómez de Tejada Romero M et al. Documento de posición sobre las necesidades y niveles óptimos de vitamina D - Revista de Osteoporosis y Metabolismo Mineral • Publicación Oficial SEIOMM. Rev Osteoporos Metab Min [Internet]. 2011 ;2(1):53–4.
Ir para a fonte
Artigo científico
Aguilar Shea AL, Muñoz Moreno-Arrones O, Palacios Martínez D, Vaño-Galván S. Vitamin D for daily practice [Internet]. Semergen. Ediciones Doyma, S.L.; 2020 .
Ir para a fonte
Artigo científico
Neale RE, Khan SR, Lucas RM, Waterhouse M, Whiteman DC, Olsen CM. The effect of sunscreen on vitamin D: a review [Internet]. Vol. 181, British Journal of Dermatology. Blackwell Publishing Ltd; 2019 p. 907–15.
Ir para a fonte
Artigo científico
Nair R, Maseeh A. Vitamin D: The sunshine vitamin [Internet]. Vol. 3, Journal of Pharmacology and Pharmacotherapeutics. Wolters Kluwer -- Medknow Publications; 2012 . p. 118–26.
Ir para a fonte
Artigo científico
Schmid A, Walther B. Natural Vitamin D Content in Animal Products. Adv Nutr [Internet]. 2013 Jul 1 ;4(4):453–62.
Ir para a fonte
Web oficial
Gold M V. National Agricultural Library [Internet]. United States Department OF Agriculture, Beltsville, EEUU. 2015 .
Ir para a fonte
Artigo científico
Marcinowska-Suchowierska E, Kupisz-Urbańska M, Łukaszkiewicz J, Płudowski P, Jones G. Vitamin D Toxicity–A Clinical Perspective. Front Endocrinol (Lausanne) [Internet]. 2018 Sep 20 ;9(SEP).
Ir para a fonte
Artigo científico
Bischoff-Ferrari HA, Giovannucci E, Willett WC, Dietrich T, Dawson-Hughes B. Estimation of optimal serum concentrations of 25-hydroxyvitamin D for multiple health outcomes [Internet]. Vol. 84, American Journal of Clinical Nutrition. 2006 p. 18–28.
Ir para a fonte
Artigo científico
Torres del Pliego E, Nogués Solán X. ¿Cómo utilizar la vitamina D y qué dosis de suplementación sería la más idónea para tener el mejor balance eficacia/seguridad? Rev Osteoporos y Metab Miner [Internet]. 2014 Mar [cited 2020 Apr 18];6:1–4.
Ir para a fonte
Prospecto
House C, Street G. Vegan & Vegetarian Vitamin D3 Ingredients. 44(0):3–6.
Ir para a fonte