frutas e vegetais ricos para bebês
Ultima atualização: 28 de dezembro de 2020

Como escolhemos

15Produtos analisados

19Horas investidas

6Estudos avaliados

69Comentários coletados

Quem é que não deseja que o filho cresça saudável e forte? Para cumprir este sonho, a maioria dos pais se torna quase especialista em nutrição! Assim, é possível garantir que não faltem os nutrientes essenciais para o desenvolvimento dos pequenos. Em alguns casos, isso é garantido com o auxílio de suplementos, como é o caso da vitamina D para bebê.

Essencial para o crescimento e a imunidade das crianças, a carência de vitamina D pode afetar gravemente o desenvolvimento infantil. Por este motivo, muitos pediatras recomendam a suplementação deste nutriente durante o primeiro ano de vida. Se você está em busca de mais informações sobre essa vitamina essencial para o seu bebê, a partir de agora vai saber tudo o que precisa para seu filho crescer forte e saudável. Siga conosco!




O mais importante

  • A vitamina D para bebê permite que os ossos utilizem o cálcio ingerido para crescer mais fortes e sadios.
  • Atualmente, a suplementação de vitamina D para bebê é recomendada durante todo o primeiro ano de vida. No entanto, esse tratamento deve ser feito com produtos de qualidade e procedência garantidas, sob a prescrição do pediatra.
  • Uma forma de assegurar os níveis ideais de vitamina D para o bebê é esforçando-se para uma gestação e lactância saudáveis. A exposição do pequeno ao sol, com prudência, é uma forma eficaz de estimular a produção do nutriente.

A vitamina D para bebê: nossas recomendações

Os suplementos de vitamina D para bebês devem ser receitados e administrado exclusivamente pelo pediatra que acompanha o seu filho. Observando essa recomendação, você pode ficar livre para escolher o produto mais adequado para o seu pequeno. Para facilitar essa busca, separamos alguns dos mais vendidos on-line. Veja o que encontramos:

A vitamina D para bebê a partir de 7 meses

A suplementação mais indicada de vitamina D para bebês é pela via oral, aplicado diretamente na boca do bebê. Com este suplemento, basta uma gota para que seu pequeno já obtenha a quantidade diária recomendada por especialistas em suplementação pediátrica.

Produzido com matéria prima de alta qualidade e indicado para crianças a partir dos 7 meses, a vitamina D em gotas da ApisNutri é o produto ideal para manter os níveis deste nutriente em equilíbrio para que seu bebê  se desenvolva com ossos fortes e imunidade reforçada.

A pomada anti assaduras com vitamina D

A pomada contra assaduras é item indispensável no trocador de qualquer bebê. A Babymed, além da ação protetora da pele promovida pela vitamina A, ainda conta com os efeitos anti-inflamatórios da vitamina D.

O produto ainda possui em sua formulação o óxido de zinco que, junto com as vitaminas, é incorporado a agentes emolientes, penetrantes e hidratantes que formam uma camada de proteção na pele do bebê.

Para manter a eficácia da pomada, recomenda-se que ela seja aplicada duas vezes por dia. Caso o bebê já esteja com assaduras, a Babymed deve ser reaplicada a cada troca de fraldas até que os sintomas sejam atenuados.

A proteção ideal para os banhos de sol

Nesse momento, o produto selecionado não está disponível no fornecedor. Por isso, o substituímos por outro com características similares. Para relatar um problema.

Das Problem mit diesem Produkt wurde gemeldet. Danke!

Se a exposição solar auxilia na produção da vitamina D para bebê, ela também pode agredir a pele delicada do seu pequeno. Por isso, usar o protetor solar Banana Boat Baby é uma alternativa para os passeios ao sol.

Com fórmula hipoalergênica e exclusiva tecnologia que não irrita os olhos, este protetor solar tem fator de proteção solar 50 e é resistente à água. Além disso, conta com o selo de recomendação da Fundação Internacional contra o câncer de pele.

Tudo o que você precisa saber sobre a vitamina D para bebê

Os ossos do bebê necessitam de um aporte constante de vitamina D para que possam crescer com força e da forma adequada. Infelizmente, a alimentação dos pequenos geralmente não proporciona a quantidade suficiente do nutriente para cumprir este papel. Por isso, vamos trazer aqui alguns dos principais conselhos de especialista para driblar possíveis deficiências desta vitamina essencial.

pais alimentando bebê

A vitamina D é necessária para o crescimento adequado dos bebês. (Fonte: Yeulet: 124541771/ 123rf.com)

O que é a vitamina D e por que ela é tão importante para o bebê?

A vitamina D é um nutriente essencial para a saúde de bebês, crianças e adultos. Esta molécula permite ao organismo absorver o cálcio dos alimentos e utilizá-lo para fortalecer os ossos. Além disso, ela também está presente em diversas funções e reações químicas no organismo, como no coração, cérebro e sistema imunológico (1).

O corpo do bebê está em um processo constante de crescimento e amadurecimento. Assim, se você espera que seu pequeno cresça com ossos fortes e saudáveis, é preciso garantir que ele receba toda a vitamina D necessária para este objetivo.

Atualmente, a recomendação dos pediatras é para que o bebê receba, nos primeiros doze meses de vida, a dosagem de 400 UI (10 microgramas) de vitamina D por dia (2, 3).

Como a carência de vitamina D pode afetar o bebê?

É bom estar muito atento, pois a falta de vitamina D não costuma apresentar sintomas em um primeiro momento. No entanto, se não suprida, a carência deste nutriente vai impedir que os ossos cresçam e se mineralizem corretamente.

Em outras palavras, isso quer dizer que os minerais como o cálcio e o fósforo não conseguem se depositar na estrutura óssea sem a ajuda da vitamina D. Essa deficiência pode levar ao raquitismo, por exemplo.

Nesta doença, os ossos ficam fracos e porosos, com maior tendência a fraturas. Além disso, não crescem como deveriam, provocando baixa estatura. Com o passar dos anos, as pessoas que sofrem com o raquitismo são obrigadas a conviver com a dor nos ossos e articulações, chegando à limitação dos movimentos e à deficiência física (4, 5).

Mas isso não é motivo para se amedrontar! Os pediatras conhecem muito bem este tipo de doença e as formas de preveni-la. Portanto, se você mantém um acompanhamento médico regular para o seu bebê — e cumpre as recomendações do pediatra —, pode estar seguro de que ele estará livre deste tipo de problemas.

dando vitamina para o bebê

A falta de vitamina D pode levar a doenças que causam deformidades nos ossos e impedem o desenvolvimento do bebê. (Fonte: Gefufna: 127864756/ 123rf.com)

Como evitar que o bebê sofra a falta de vitamina D?

De acordo com as entidades de atenção pediátrica (3), os bebês devem ser suplementados com 400 Unidades Internacionais (UI) de vitamina D diariamente, por via oral, até completar 1 ano de idade.

A partir dessa data, o ideal é que o pequeno já tenha uma dieta com alimentos ricos em vitamina D, como peixes, ovos, carnes e leite enriquecido.

A boa notícia é que a pele humana é capaz de fabricar a sua própria vitamina D, estimulada pela exposição solar. É por isso, aliás, que muitos a chamam de "vitamina do sol".

No entanto, nem todos os médicos aprovam essa prática já que os raios ultra violeta podem causar danos à pele no médio e longo prazo (2).

Por este motivo, a exposição solar direta para bebês menores de um ano não é recomendada. Se o fizer, procure seguir a recomendação padrão dos dermatologistas, com o banho de sol em horários seguros e sempre com protetor solar adequado para a idade do bebê.

A maioria dos pediatras, portanto, prescreve a suplementação em gotas como uma forma de obter os níveis necessários da vitamina D sem colocar em risco a saúde da pele e reduzir a probabilidade da incidência de câncer de pele, por exemplo.

Lucia Galan BertrandMédica especialista em Pediatria
"É bom lembrar que a administração da vitamina D é recomendada durante o primeiro ano de vida a todos os bebês que sejam alimentados exclusivamente com leite materno. Para os que consomem o leite enriquecido, o pediatra deve avaliar a necessidade da suplementação".

A suplementação de vitamina D para bebê pode ser feita por conta própria?

De maneira nenhuma! Em todos os nossos artigos — e desde o início deste guia —, reforçamos a recomendação de que nunca se faça qualquer tipo de suplementação sem supervisão profissional.

Quando se trata de um bebê, então, essa norma deve ser ainda mais rígida! A vitamina D é um composto lipossolúvel (se dissolve em gordura) que se integra aos tecidos do bebê.

Usada indiscriminadamente, ela pode causar uma intoxicação grave, que colocaria a saúde do seu filho em perigo. Além disso, os suplementos de vitamina D podem provocar cólicas nos recém nascidos, especialmente se a dose máxima não for respeitada.

O uso em dosagem elevada pode fazer com que ocorra a elevação dos níveis de cálcio e outros desequilíbrios eletrolíticos, que prejudicam a criança (2).

Desta forma, reforçamos nossa recomendação de que, caso tenha intenção de fazer alguma suplementação nutricional para o seu bebê, consulte o pediatra que o acompanha para adotar o tratamento seguro.

pediatra com bebê

Os pediatras recomendam a suplementação com vitamina D para bebê. No entanto, ela deve ser feita com supervisão médica. (Fonte: Popov: 60368630/ 123rf.com)

Vitamina D para bebê: Nossos conselhos

Se você é mãe ou pai de primeira viagem, é natural que tenha diversas dúvidas sobre como prevenir a carência nutricional do seu bebê. Mas com acompanhamento especializado e alguns conselhos práticos, ficará muito mais simples manter seu pequeno sempre saudável, se desenvolvendo com qualidade e ótimas reservas de vitamina D.

Cuidados durante a gestação

Você provavelmente já sabe que o bem estar da futura mão se reflete na saúde do bebê, não é? E isso não é um mito!

De fato, os especialistas garantem que, ao melhorar os níveis nutricionais da gestante ou durante a amamentação podem fortalecer as reservas de vitaminas dos pequenos (2). Sendo assim, é fundamental não se descuidar da alimentação saudável e nutritiva durante esses períodos.

Para tanto, recomendamos que avalie com o seu médico a possibilidade de monitorar os níveis de vitamina D durante a gravidez. Assim, fica mais fácil garantir o equilíbrio nessa fase!

mãe com bebê na cama

Se o seu bebê consome o chamado "leite de fórmula", é preciso avaliar com o pediatra a necessidade de suplementação com vitamina D. (Fonte: Ozerova: 46423478/ 123rf.com)

Tenha um pediatra de confiança

A boa relação do pediatra com a família vai fazer toda diferença no desenvolvimento do bebê. Isso porque, ciente de todo o desenvolvimento do pequeno, o especialista será capaz de receitar os melhores cuidados, sejam eles a suplementação ou outros tratamentos.

Assim, procure ter transparência com relação às suas dúvidas e apreensões e nunca, sob qualquer hipótese, esconda fatos que possam ser determinantes para a tomada de decisões do especialista com relação à saúde do seu filho.

Não abra mão do protetor solar

Se quer aproveitar o passeio com o bebê para um banho de sol, é bom lembrar-se que a exposição solar, ao mesmo tempo em que ajuda na produção de vitamina D, pode trazer danos à pele. Portanto, é imprescindível seguir algumas orientações:

  • Os menores de seis meses não devem ser expostos diretamente ao sol, como indo à praia, por exemplo. A pele do bebê é muito delicada e mesmo os protetores solares hipoalergênicos podem causar alguma irritação indesejada. Nestes casos, o ideal é usar a proteção física, com roupas, chapéus e óculos apropriados;
  • Os maiores de seis meses podem brincar sob o sol, sempre nas horas mais propícias do dia (com menor intensidade dos raios ultra violeta) e com a pele resguardada por um protetor solar de qualidade, indicado para a pele sensível do bebê. Além disso, a supervisão dos pais é crucial durante este período.

Para os menores, recomenda-se o uso de cremes com filtros físicos (como o que tem dióxido de titânio na formulação) que refletem os raios solares sem a utilização de produtos químicos que possam causar irritação.

De modo geral, podemos categorizar os protetores solar de acordo com o tipo de barreira (física ou química) que eles oferecem (6):

Filtros físicos Filtros químicos
Contém minerais (dióxido de titânio ou óxido de zinco) Utilizam compostos químicos (octocrileno, avobenzona, oxibenzona, entre outros)
A radiação solar é "rebatida" e rejeitada pela pele Absorvem e neutralizam os raios solares
São menos resistentes à água, devendo ser reaplicado periodicamente Resistentes à água
Deixam um tom esbranquiçado na pele "Desaparecem" na pele, sem deixar o aspecto esbranquiçado, e são simples de aplicar
Podem ser usados em bebês a partir dos 6 meses de vida Não se recomenda o uso em crianças abaixo de três anos

Não descuide da alimentação

Planeje com muita atenção — e, de preferência, com o auxílio de um especialista em nutrição pediátrica — a dieta ideal para o seu filho. Depois que ele começar a consumir alimentos ricos em vitamina D, como leite fortificado, cereais enriquecidos, peixes, ovos e carnes, o pediatra poderá suspender o uso dos suplementos, caso avalie que esta será a melhor alternativa.

médico com bebê

O excesso de vitamina D nos bebês pode causar sérias intoxicações. (Fonte: Nejron: 122011708/ 123rf.com)

Use suplementos de qualidade

Nem todos os suplementos são iguais! Possivelmente, o pediatra vai receitar para o seu bebê um suplemento que seja da sua confiança. Caso ele o deixe livre para escolher, não compre produtos de origem duvidosa.

Tenha sempre em mente que o suplemento de vitamina D para bebês (e também para adultos) precisa seguir uma série de critérios para ser seguro e eficaz. Portanto, esteja atento a (2):

  • Informações técnicas: o suplemento de vitamina D para bebê deve estar corretamente etiquetado e identificado. A embalagem deve conter todas as informações sobre a composição, a dosagem, a posologia e a origem do produto. Desconfie se o texto tiver erros gramaticais ou for muito genérico;
  • Embalagem: geralmente, os suplementos de vitamina D para bebê são comercializados para administração na forma líquida. Por isso, a embalagem deve vir acompanhada por gotejador que permite fazer a medição exata da dose recomendada, que deve ser de, no máximo, 400 UI de vitamina D ao dia. Esse cuidado é essencial para evitar possíveis intoxicações;
  • Forma de administração: as gotas de vitamina D podem ser aplicadas diretamente na boca do bebê, certificando-se para que ele não cuspa o suplemento;
  • Prazo de validade: a embalagem deve indicar claramente a data de validade do suplemento de vitamina D para o seu bebê. Nunca utilize um produto vencido. Assim, você garante a segurança e a eficácia do suplemento.
Armando BastidaEnfermeiro especialista em Pediatria
"Há um número muito alto de bebês que sofrem com a carência de vitamina D. Em todo o país, entre 40 e 60% dos menores de 1 ano têm esse problema".

Resumo

A vitamina D é um dos nutrientes mais importantes para o desenvolvimento do bebê. O composto garante que os ossos cresçam fortes e saudáveis. Por este motivo, é imperativo estar atento aos níveis da vitamina no organismo dos pequenos. De forma geral, a carência pode levar à fraqueza dos ossos e articulações, ao déficit de crescimento e doenças como o raquitismo.

Neste artigo, mostramos que é possível deter essa carência nutricional com o uso de suplementos no primeiro ano de vida do bebê, sempre sob orientação do seu pediatra de confiança. Deixamos alguns conselhos práticos para manter os índices de vitamina D em equilíbrio e garantir o crescimento sadio do seu bebê.

Se este artigo foi útil para você, que tal compartilhar essas dicas com outros pais? Se tiver alguma dúvida, deixe-nos um comentário. É sempre um prazer responder as suas perguntas. Um abraço!

(Fonte da imagem destacada: Naumenko: 90945109/ 123rf.com)

Referências (6)

1. Senan Sanz MR, Gilaberte Calzada Y, Olona Tabueña N, Magallón Botaya R. Conocimientos acerca de la vitamina D y hábitos de prevención de su déficit en las consultas de atención primaria. Semer – Med Fam [Internet]. 2014 Jan 1;40(1):18–26.
Fonte

2. Martínez Suárez V, Moreno Villares JM, Dalmau Serra J. Recomendaciones de ingesta de calcio y vitamina D: posicionamiento del Comité de Nutrición de la Asociación Española de Pediatría. An Pediatr [Internet]. 2012 Jul 1;77(1):57.e1-57.e8.
Fonte

3. Manzano S. Recomendaciones de uso de vitamina D en Pediatría. 2019;(Mar 2019):5.
Fonte

4. de la Calle Cabrera T. Raquitismo carencial. Raquitismos resistentes. Pediatr Integr [Internet]. 2015;19(7):477–87.
Fonte

5. Riancho JA. Osteomalacia y raquitismo. Rev Esp Enfermedades Metab Oseas [Internet]. 2004;13(4):77–9.
Fonte

6. Latha MS, Martis J, Shobha V, Shinde RS, Bangera S, Krishnankutty B, et al. Sunscreening agents: A review [Internet]. Vol. 6, Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology. Matrix Medical Communications; 2013.p. 16–26.
Fonte

Por que você pode confiar em mim?

Artigo científico
Senan Sanz MR, Gilaberte Calzada Y, Olona Tabueña N, Magallón Botaya R. Conocimientos acerca de la vitamina D y hábitos de prevención de su déficit en las consultas de atención primaria. Semer – Med Fam [Internet]. 2014 Jan 1;40(1):18–26.
Ir para a fonte
Documento oficial
Martínez Suárez V, Moreno Villares JM, Dalmau Serra J. Recomendaciones de ingesta de calcio y vitamina D: posicionamiento del Comité de Nutrición de la Asociación Española de Pediatría. An Pediatr [Internet]. 2012 Jul 1;77(1):57.e1-57.e8.
Ir para a fonte
Documento oficial
Manzano S. Recomendaciones de uso de vitamina D en Pediatría. 2019;(Mar 2019):5.
Ir para a fonte
Artigo científico
de la Calle Cabrera T. Raquitismo carencial. Raquitismos resistentes. Pediatr Integr [Internet]. 2015;19(7):477–87.
Ir para a fonte
Revista médica
Riancho JA. Osteomalacia y raquitismo. Rev Esp Enfermedades Metab Oseas [Internet]. 2004;13(4):77–9.
Ir para a fonte
Artigo científico
Latha MS, Martis J, Shobha V, Shinde RS, Bangera S, Krishnankutty B, et al. Sunscreening agents: A review [Internet]. Vol. 6, Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology. Matrix Medical Communications; 2013.p. 16–26.
Ir para a fonte
Resenhas